Menu

Malária: Consumo de Açúcares Vegetais pelos Mosquitos Influencia a sua Transmissão

 

Estudo realizado por investigadores do IRD (Institut de Recherche pour le Developpement, França), do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique, França) e do IRSS (Institut de Recherche en Sciences de la Santé, Burkina Faso) revela que fontes naturais de açúcar contidos nas plantas e frutos consumidos pelos mosquitos influenciam na transmissão da malária.  Estes resultados, que abrem novas perspectivas na luta contra esta doença, foram publicados a 4 de Agosto na revista PLOS Pathogens.

A malária, doença parasitária mais disseminada pelo mundo, é responsável por mais de 430.000 mortes por ano, sendo 90% delas no continente africano. Causada por um parasita, o Plasmodium falciparum, a doença é transmitida aos seres humanos através dos mosquitos fêmeas (chamados vectores) do género Anopheles que se alimentam de sangue (humano e animal) e de açúcares vegetais de fontes naturais, como o néctar de plantas.

Os recentes estudos mostram que o consumo de açúcar pelos mosquitos tem impacto no seu tempo de vida. No entanto, a forma como a diversidade de plantas influencia a capacidade de os mosquitos transmitirem a malária (agindo sobre as relações portador/ patogénico [agente que causa a doença]), manteve-se até então desconhecida.

 

A alimentação dos mosquitos vista à lupa

Neste estudo, os investigadores analisaram a alimentação do mosquito Anopheles coluzzii, um dos principais transmissores do Plasmodium falciparum na África subsariana. Estudaram o impacto das fontes naturais de açúcar, contidos em diferentes plantas, sobre a relação entre o mosquito e o parasita responsável pela transmissão da malária.

Em laboratório, os investigadores alimentaram os mosquitos com açúcares naturais de néctares de plantas ornamentais (Barleria lupilina e Thevetia neriifolia) e de frutas (manga e uva selvagem) colhidas em jardins e em parques da cidade de Bobo Dioulasso (Burkina Faso). No entanto, um grupo de mosquitos recebeu uma solução aquosa com 5% de glicose. Passadas 24 horas os mosquitos foram alimentados com sangue infectado pelo Plasmodium falciparum. Os investigadores continuaram a fornecer fontes de açúcar (flor, frutas ou solução de glicose) aos mosquitos durante 14 dias (tempo de desenvolvimento do parasita no mosquito).

 

Acção dos açúcares naturais sobre as relações entre mosquito e o parasita

As observações microscópicas combinadas com modelos epidemiológicos revelaram que o fornecimento de açúcares naturais influenciou significativamente no desenvolvimento do parasita, na fertilidade e longevidade do mosquito. Assim, os mosquitos alimentados com néctar T. neriifolia reduziram a sua capacidade de transmitir a malária em 30 %, enquanto que os alimentados com néctar L. microcarpa e com néctar B. lupilina aumentaram a capacidade de transmissão em 30 % e 40 %, respectivamente. 

 

Novas estratégias na luta contra a malária

O estudo mostra, pela primeira vez, que as fontes naturais de açúcares podem modular as relações portadores-patogênicos. Os mecanismos de acção ainda são desconhecidos, mas os investigadores sugerem que os compostos metabólitos secundários tóxicos para o parasita poderiam estar envolvidos. 

As investigações prosseguem sobre uma ampla gama de plantas, a fim de identificar espécies de plantas que podem impedir a transmissão do parasita. Os investigadores também perspectivam estudos adicionais relativos às preferências comportamentais dos mosquitos (saudáveis e infectados) para plantas com diferentes propriedades antiparasitárias. Estes resultados sugerem novas estratégias na luta contra a malária, como a plantação de espécies vegetais que afectem negativamente a capacidade transmissora dos mosquitos.

 

Artigo original publicado pelo CNRS (em françês):

http://www2.cnrs.fr/sites/communique/fichier/cp_nectar_fleurs_paludisme.pdf

 

Contactos

  • Investigadores 

Thierry Lefèvre 

Chercheur CNRS em accueil à l'IRD (BurkinaFaso)

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Tel: +226 72 82 83 55

 

Domonbabele Hien,

Doctorant à l'IRD et à l'IRSS (Burkina Faso)

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Tel: +226 71 90 38 70 

 

  • Service presse IRD

Cristelle Duos

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

T : 04 91 99 94 87

 

Para mais detalhes

D. Hien, K. R. Dabiré, B. Roche, A. Diabaté, S. R. Yerbanga, A. Cohuet, B. K. Yameogo, L-C. Gouagna, R. J. Hopkins, G. A. Ouadraogo, F. Simard, J-B Ouadraogo, R. Ignell, T. Lefèvre. Plant-mediated effects on mosquito capacity to transmit human malaria, PLOS Pathogens, 2016.

http://journals.plos.org/plospathogens/

DOI :10.1371/journal.ppat.1005773.s011

 

Parceiros implicados no estudo

  • Maladies infectieuses et vecteurs: écologie, génétique, évolution et contrôle (MIVEGEC, IRD/CNRS/Université de Montpellier)
  • Institut de recherche em sciences de la santé (IRSS, Bobo-Dioulasso, Burkina Faso)
  • Unité de modélisation mathématique et informatique de systèmes complexes (UMMISCO, IRD / Université Cadi Ayyad de Marrakech/ Université Cheikh Anta Diop de Dakar/ Université Gaston Berger de Saint-Louis (Sénégal)/ Université Pierre et Marie Curie - Paris 6/ Université de Yaoundé I/ Hanoi University of Science and Technology)
  • Université Polytechnique de Bobo Dioulasso (Burkina Faso)
  • Université de Greenwich (Angleterre)
  • Université desSciencesAgricoles d’Alnarp (Suède)

 

Ler mais ...

Impacto da produção emergente de carvão nas florestas de Miombo do planalto de Chitembo, Centro-Sul, Angola

O carvão é uma das principais fontes de energia para uso doméstico na maioria dos países africanos devido aos elevados custos de eletricidade e ao limitado acesso a fontes  alternativas de energia.

A produção global de carvão foi estimada em 47 milhões de toneladas em 2009, com um aumento de cerca de 9% desde 2004. Esta tendência foi fortemente influenciada pelo continente africano com cerca de 63% da produção global. Nos próximos 20 anos, espera-se um aumento significativo no uso de carvão, particularmente nos países em desenvolvimento. Em Angola, cerca de 40% da população vive em áreas rurais onde o comércio de carvão é muitas vezes a fonte mais importante de rendimento.

O presente estudo decorreu no município de Chitembo, região centro-sul de Angola. A recolha de dados foi feita nos locais de produção e usou-se como instrumento de recolha a entrevista semi-estruturada, para obtenção de dados relativos às estratégias de subsistência, receitas derivadas da produção de carvão, uso dos recursos florestais e espécies mais utilizadas para a produção de carvão. Os dados sobre a vegetação foram colhidos em dez parcelas de amostragem com tamanho de 1000 m2 (20 m x 50 m). Todas as árvores com circunferência ≥ 15 cm foram medidas a altura do peito, as espécies foram identificadas pelo seu nome local e pelo nome científico.

Os objectivos dos estudo foram :

  • Quantificar a produção de carvão na área de estudo;
  • Analisar a importância soci-económica da actividade para subsistência local;
  • Identificar as espécies mais afectadas pela produção de carvão;
  • Analisar a estrutura da vegetação destas espécies. 

No total, 30 carvoeiros foram entrevistados. Em média 110 ± 14 árvores são necessárias para produzir 54 ± 9 sacos de carvão. Com base no número total de sacos produzidos por forno (1529 sacos) multiplicado pelo número esperado de fornos por ano (125) estimou-se uma produção anual de 191.125 sacos, correspondente a 10.703 toneladas de carvão produzidos pelos 30 carvoeiros entrevistados, considerando que o peso médio de cada saco é de 56 kg. Para muitos produtores, o carvão é a principal fonte de subsistência depois da agricultura e tem como finalidade os principais centros urbanos do país.

As espécies arbóreas Julbernardia paniculata, Brachystegia spiciformis, Cryptosepalum exfoliatum subsp. pseudotaxus e Burkea africana foram as mais citadas e também as mais frequentes nas parcelas de vegetação. A estrutura da vegetação mostrou uma baixa regeneração. Apenas alguns indivíduos com diâmetro inferior foram encontrados, com excepção da J. paniculata. Estas espécies mostraram também poucos indivíduos com grande diâmetro, o que indica que uma especial atenção deverá ser prestada a estas espécies.

Trabalho apresentado, em forma de poster, na 4a Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia, Luanda, 9 - 11 de Setembro de 2015.

Referências

  • AHRENDS, A., BURGESS, N., MILLEDGE, S., BULLING, M., FISHER, B., SMART, J., CLARKE, G., MHORO, B., LEWIS, S. (2010) Predictable waves of sequestral forest and biodiversity losses spreading from an African city. Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America, 107 (33)
  • CHIDUMAYO, E. N. (1991) Woody biomas structure and utilization for charcoal production in Zambian miombo woodland. Bioresource Technology 37: 43 - 52
  • FAO (2011a) Highlights on wood charcoal: 2004 – 2009 FAO Forestry Department. FAOSTAT – ForesSTAT.
  • INE (2014) Resultados Preliminares do Recenseamento Geral da População e Habitação de Angola, Angola
  • LUONGA, E. J.; WITKOWSKI, E. T.; BALKWILL, K. (2002) Economics of charcoal production in miombo woodlands of eastern Tanzania: some hidden costs associated with commercialization of the resources. Ecological Economics 35: 243-257.
  • MAY-TOBIN, C. (2011) Charpter 8: Wood for Fuel. The root of the problem, what's driving tropical deforestation today? Union of Concerned Scientists. USA.

 

Francisco Gonçalves
Licenciado em Biologia
Investigador na Área de Ecologia Vegetal
Departamento de Ciências da Natureza
Herbário do Lubango, ISCED Huíla
Lubango - Angola,
T. : +244  924 061 322
Email : Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais