Menu

Ciências da Computação, STEM e Integração

Um artigo publicado na plataforma digital de notícias, Quartz, intitulado “You probably should have majored in computer science”, incentiva os jovens a iniciar estudos em Ciência da Computação (ou Informática) em particular, e em disciplinas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, em Inglês) em geral, dado o enorme diferencial entre os empregos por preencher no mercado e a actual disponibilidade de licenciados na área. No ano de 2015 houve um total de 59581 licenciados contra 527169 postos de trabalho. 

A evidência é clara: à medida que vivemos cada vez mais cercados por dispositivos programáveis, que definem o nosso ecossistema mais claramente e como realizamos mais e mais tarefas, a procura por profissionais capazes de lidar com essa nova realidade cresce incessantemente.

Será que isso significa que devemos ter cada vez mais jovens a optar por estudar Ciência da Computação? De facto, trabalhos que exigem habilidades dentro das chamadas disciplinas STEM mostram um crescimento de mais do que o dobro em relação a outros, e estão entre os mais bem pagos, mas a conclusão não é tão simples. Primeiro, porque a estrutura de muitos desses estudos está longe de ser perfeita, ela evoluiu muito pouco ao longo das últimas décadas em termos de conteúdo e de metodologia, e como tal está muito longe do que o mercado parece exigir. E em segundo lugar, porque quando tudo é dito e feito, a sociedade precisa de profissionais de muitos tipos e com habilidades variadas.

Faz sentido um futuro em que todos se dediquem à computação? Obviamente não. Faz todo o sentido que a demanda por esses empregos cresça, dado que a tecnologia evolui e ocupa um espaço maior nas nossas vidas, mas não faria sentido que todos os postos de trabalho fossem preenchidos por formados em Ciência da Computação. O que acontece, porém, é que a as Ciências da Computação estão a incorporar-se de forma natural em mais e mais disciplinas profissionais: o trabalho do biólogo, do médico, do arquitecto ou do agricultor do futuro tem, sem dúvida, uma componente tecnológica cada vez mais importante e essa componente exige cada vez mais o desenvolvimento de competências necessárias não só enquanto simples usuários, mas também para a sua conceptualização (na construção de conhecimento).

A solução está, sem dúvida, em incorporar a STEM na educação a todos os níveis. A grande procura por profissionais de STEM não se reflecte só na necessidade de trabalhadores dedicados estritamente às STEM, mas também na falta de diplomados de muitas outras áreas com conhecimentos operacionais suficientes para desenvolver adequadamente os seus trabalhos. 

A formação de um fazendeiro tem estado tradicionalmente muito distante das disciplinas de STEM, e hoje em dia, para uma agricultura eficiente, é preciso lidar com as tecnologias que vão desde tractores autónomos a drones, através da sensorização, planificação de produção ou de criação de redes de produtores como a Farmers Business Network (FBN), uma iniciativa da Google Ventures. E se isso acontece numa actividade supostamente tão tradicional como a agricultura, o que dizer de outras áreas? Na medicina, os médicos que realizarem procedimentos cirúrgicos através de um sistema de assistência robótica, terão certamente mais vantagens sobre os que fizerem de maneira tradicional, e embora a disciplina ainda esteja em fase de tecnologias proprietárias e não modificáveis, em breve, chegar-se-á à fase em que o próprio médico poderá definir e parametrizar as suas necessidades através da interacção com a máquina. 

Da mesma forma, indo para uma área pouco suspeita de interacção com a Ciência da Computação, um licenciado em Direito deverá ser capaz de entender como interagir com sistemas de inteligência artificial como o Ross, capaz de marcar hoje em dia uma grande diferença relativamente ao tempo de preparação de um julgamento. A incorporação da tecnologia acontece num elevado número de áreas, no entanto, a procura por profissionais deve ser satisfeita não só pela criação de mais licenciados em STEM, mas também pela integração de STEM noutras áreas, sobretudo integrando a sua aprendizagem nos primeiros níveis de ensino.

No momento em que a educação for separada da realidade do mundo em que vivemos, a sociedade passará a ter um grave problema de adaptação. Não se trata de aprender "novas tecnologias" (quanto mais tempo continuaremos a usar esse termo, já que actualmente todos usamos as "novas" tecnologias?), mas, integrá-las normalmente no processo educativo em todos os níveis. Nenhum currículo de educação deve ser considerado completo ou adequado sem a necessária incorporação das Ciências da Computação, sem entender como a tecnologia pode afectar o desenvolvimento desta actividade no futuro e sem preparar profissionais para isso. Precisamos de mais licenciados em STEM, mas também mais matérias de STEM em todos os graus, em todos os níveis. Mais STEM, sim, sem dúvida. Mas também muito mais integração.

 

 

Artigo Original:

Por Enrique Dans

Senior Advisor for Innovation and Digital Transformation at IE University 

Linkedin, 12 de Março 2017 

https://www.linkedin.com/pulse/computer-science-stem-integration-enrique-dans (em inglês)

https://www.enriquedans.com/2017/03/computacion-stem-e-integracion.html (em espanhol)

Ler mais ...

A Automação vai Matar ou Criar Empregos?

A automação está cada vez mais a proliferar em cada aspecto das nossas vidas, sejam os robots a construir os carros que conduzimos ou os sistemas de inteligência artificial (IA) a conduzir os veículos para nós. Com a ascensão dos sistemas autónomos, a grande preocupação para muita gente é como os seus empregos serão afectados.

Um relatório recentemente publicado pelo grupo de reflexão do McKinsey Global Institute tenta analisar esta questão. Embora os robots já possam substituir trabalhadores que fazem trabalho físico, tais como mineiros, operários e também aqueles que colectam e processam dados, como caixas nos bancos e agentes de viagens, o relatório conclui que menos de 5 porcento das ocupações são susceptíveis de serem completamente extintas pela automação. Mas isto não quer necessariamente dizer garantia de emprego para os trabalhadores em tais indústrias, de acordo com vários relatórios.

 

A quem o impacto será maior?

O efeito da automação nos empregos realmente depende da ocupação. Um relatório do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável sugere que a automação poderá substituir mais de metade dos empregos na indústria mineira na próxima década. A indústria mineira já está a usar carregadores automatizados e sistemas de perfuração de túneis, e está a testar comboios de longa distância para transportar materiais da mina até a um porto, eliminando a necessidade de trabalhadores para realizar estas tarefas.

Camionistas, taxistas e motoristas de entregas também precisam de estar preocupados. O documento "Inteligência Artificial, Automação e a Economia", publicado em Dezembro pelo Gabinete Executivo do Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), refere que a tecnologia de veículos automatizados pode ameaçar ou alterar entre 2.2 a 3.1 milhões destes empregos nos EUA. Isto significa que 80 porcento a 100 porcento destes empregos serão eliminados, afectando por volta de 1.7 milhões de camionistas por si só. Os serviços de transporte a pedido, como Uber, provavelmente dependerão inteiramente em carros auto- dirigidos no futuro, acrescenta o relatório.

E aqueles que procuram emprego em fábricas precisam de ter conhecimentos de informática agora. No entanto, menos de 15 porcento dos 10,000 candidatos que participaram numa feira de emprego Energia Siemens, em Charlotte, N.C., foram qualificados para posições na empresa, com habilidades de leitura, escrita e matemática em nono grau, de acordo com o jornal The New York Times. O artigo continua dizendo que John Deere também tem dificuldades para preencher as posições na sua fábrica, porque a construção e reparação de tractores e de ceifeiras-debulhadoras agora requere matemática avançada e habilidades de compreensão.

Aqueles que fazem trabalho físico não são únicos que se devem preocupar. Espera-se que software capaz de analisar grandes volumes de documentos legais irá reduzir drasticamente o número de auxiliares jurídicos, de acordo com um artigo do portal Law.com. E à medida que tais softwares avançam, pessoas com outras ocupações, como contabilistas, podem tornar-se facilmente substituídos.

 

Mais emprego para pessoas na tecnologia

Por outro lado, pessoas com habilidades em tecnologia serão necessárias em toda a indústria para configurar e operar sistemas de automação.  Contudo, serão contratados em menor número do que as pessoas que serão substituídas pelas máquinas, de acordo com a Computer World.

A indústria de base tecnológica já emprega 6.7 milhões de pessoas nos EUA e está a crescer a uma taxa de 3 porcento a cada ano, de acordo com CompTIA, uma associação sem fins lucrativos de Tecnologias de Informação (TI). Isto torna-lhe numa das maiores indústrias dos EUA – comparável à construção, banca e seguros.

Uma coluna no LinkedIn sugere que os empregos do futuro vão requerer um Quociente de Inteligência (QI) de 130 ou mais (valor típico varia entre 85 e 115) – que incluiriam pessoas qualificadas para posições como Cientista de Dados, Programador de Inteligência Artificial e Matemáticos. Isto cobre apenas uma pequena percentagem da população. O autor até sugere que tenhamos de nos tornar cyborgs (alteração ou substituição de processos biológicos por meios electrónicos) para competir por um emprego.

 

Vamos experimentar desemprego em massa?

Não necessariamente. Cada mineiro de carvão tornar-se-á um programador? Pouco provável. Mas aqueles sem algum nível de conhecimento técnico vão provavelmente ficar para trás. Até os profissionais da saúde e advogados terão de aprender a utilizar as ferramentas mais recentes para se manterem actualizados na sua indústria e fornecerem os melhores serviços possíveis.

Mas há outro caminho. De acordo com um artigo na revista The Economist, empregos que requerem empatia, habilidades de comunicação e interacção pessoal próxima estão aqui para ficar, por enquanto. O autor acrescenta que a automação aumenta o valor dos empregos que requerem conexão humana. Estas pessoas incluem enfermeiras, professores, cabeleireiros e treinadores pessoais. E devido às frustrações dos clientes na fala com as máquinas, os humanos estão a recuperar empregos de sistemas de apoio ao cliente automatizados. 

O artigo diz que a ideia de que há apenas uma quantidade finita de trabalho a realizar e que a automação está a levar isso de nós, é falsa.  De facto, a automação ajudou muitas empresas a aumentar os seus lucros e a demanda pelos seus produtos e serviços – o que as levou à contratação de mais funcionários e à abertura de mais escritórios e lojas. Adicionalmente, o artigo diz que a IA não vai causar desemprego em massa como muita gente receia, mas vai exigir que muitos trabalhadores aprendam novas habilidades e rapidamente.

 

Como inverter a situação?

Para garantir que automação ajuda e não prejudica as perspectivas das pessoas, os líderes em cada indústria em conjunto com os fazedores de políticas e instituições académicas, precisam de investir na educação para os empregos do futuro. Isto inclui treino no local de serviço e cursos de formação contínua para aqueles em transição nas suas carreiras.

John Deere, por exemplo, doa equipamentos agrícolas a universidades comunitárias para ajudar a formar técnicos e muitos desses graduados acabam trabalhando para a empresa. A Siemens criou um programa de aprendiz para idosos em escolas secundárias locais perto da fábrica da empresa em Charlotte. Os estudantes recebem quatro anos de formação no local de trabalho e um diploma de associado em mecatrónica de uma universidade comunitária das proximidades. Ele então terminam sem empréstimos e com um emprego que paga mais de 50,000 USD por ano. Na Europa não é raro encontrar executivos de tecnologia que iniciaram a partir de estágios, em vez de uma formação universitária tradicional de 4 anos, de acordo com o artigo do jornal The New York Times.

A, de alguma forma, boa notícia é que a extinção em massa de empregos devido à automação não acontecerá da noite para o dia. O relatório da McKinsey sugere que metade das actividades dos empregos de hoje poderão não ser automatizadas até 2055 – Adicionar ou Subtrair um par de décadas, de acordo com as previsões. Independentemente disso, agora é o tempo para começar a pensar em como melhor se adaptar a um mundo em mudança. 

 

 

Artigo original 

Por Prachi Patel

IEEE the institute, 7 de Março de 2017

http://theinstitute.ieee.org/ieee-roundup/blogs/blog/will-automation-kill-or-create-jobs

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais