Menu
A+ A A-

O “Clamor” da Ciência, Tecnologia e Inovação por um Espaço na Comunicação Social

Em baixo, da esquerda para a direita: Gabriel Luís Miguel, Benedito Kayela, Pinto Tunga, Armindo Pedro da Conceição, Domingos da Silva Neto.
Em cima da esquerda para direita: Pedro Maye Mbemba, Gabriel Patrício, Ulisses de Jesus, Eusébio Panzo, Mutebi Ruange, Alexandre Cose.

 

A relação bilateral entre a ciência e a comunicação social é um dos caminhos a trilhar para que os avanços científicos sejam divulgados à sociedade actual. Ambas devem andar de mãos dadas e não timidamente retraídas a questões burocráticas, como quem deve dar espaço a quem.

 “A Ciência, Tecnologia e Inovação e Comunicação Social” foi o último tema do ciclo de palestras do Café com Ciência e Tecnologia no Centro Tecnológico Nacional (CTN), edição 2016, do passado dia 16 de Dezembro. Os temas voltados ao papel da Ciência, Tecnologia e Inovação no Marketing da Comunicação Social e na Televisão, bem como as Políticas e Estratégias da Ciência, tinham como foco principal abordar a necessidade de a ciência e tecnologia ocuparem um espaço na comunicação social, visto que “a televisão é um instrumento poderoso na persuasão e formatação de ideias. Esta ainda está aquém nos domínios da Ciência Tecnologia e Inovação (CTI), embora esteja timidamente presente através da notícia”, frisou Dr. Alexandre Cose, jornalista e Director dos Conteúdos Institucionais da Televisão Pública de Angola (TPA). 

Relativamente à divulgação da ciência, o Doutor Domingos da Silva Neto, Director Nacional da Ciência e Investigação Científica, considera que a divulgação pressupõe a simplificação das abordagens científicas sem desvirtuar a informação. O mesmo faz uma chamada de atenção no quesito “saber comunicar” por parte dos jornalistas, que na sua opinião carecem de formação no domínio do jornalismo científico para que as abordagens científicas possam ser assertivas.

Por sua vez, o Dr. Ulisses Jesus, Assessor do Conselho de Administração da TPA, salientou que o acesso às novas tecnologias permitem expandir melhor o trabalho da comunicação social. Hoje, é possível ter acesso a qualquer informação, em qualquer parte do mundo com as novas ferramentas e aplicativos. É ainda possível fazer-se uma entrevista mesmo à distância com um dos aplicativos mais conhecidos como o “whatsapp”, cuja qualidade sonora acaba por ser superior aos habituais caça palavras, “tudo o que se faz na comunicação social tem uma base tecnológica, e estas bases nascem com a ciência, tecnologia e inovação”, comentou o Dr. Ulisses de Jesus. Este chama ainda atenção para a importância do marketing institucional pelas instituições que se dedicam à ciência,  acreditando que “se as instituições parassem para pensar e reestruturar a sua função de marketing e comunicação, só teriam ganhos”. Um dos métodos mais eficazes na sua opinião é o uso de mascotes dependendo do público-alvo a atingir. Sendo para isso necessário que haja conteúdo a ser divulgado. Pois, se não houver conteúdo, não há divulgação, sem divulgação a sociedade fica alheia ao conhecimento.

Na voz do moderador da última edição do ano do Café com Ciência e Tecnologia, Dr. Benedito Kayela, “a ciência e a tecnologia estão cravadas no ADN da comunicação”. O que só nos prova que é mais uma razão para que haja total colaboração entre as partes envolvidas, cuja principal função tem como foco o bem-estar da sociedade.

Em síntese, é necessário a união de forças quer das instituições científicas na produção de conteúdos, na aderência a novas formas e a novos códigos de comunicação usados na sociedade, e à força de vontade de divulgar, quer da comunicação social na busca recíproca de conteúdos às instituições de investigação científica, bem como a pronta abertura e auxílio na divulgação de conteúdos científicos.

Foi com esta chamada de atenção que o CTN encerrou o seu programa de palestras denominado Café com Ciência e Tecnologia, na presença de ilustres convidados, estudantes, e amantes do saber que durante o ano partilharam não só os assentos na plateia, como também a mesa do presidium. 

Além da satisfação dos desafios ultrapassados em 2016, permanece a vontade de fazer mais e melhor no ano que se avizinha, para que os frutos da ciência possam ser colhidos por todos.

Bem-haja a Ciência, Tecnologia e a Inovação. Feliz 2017!

 

© Portal ciencia.ao - Djamila Lima e Silvestre Estrela

 

Ler mais ...

Energia Solar a Partir de Material Reciclável

Recentemente, a Organização Não Governamental (ONG) “Sumando Energias” construiu, em Garín, uma localidade a 40 kms de Buenos Aires (Argentina), vários painéis solares com garrafas de plástico recicladas, latas, caixas e tubos, permitindo que as famílias dessas regiões pudessem ter água quente e energia. Tratam-se de projectos sustentáveis e portanto amigos do ambiente. 

Para Julien Laurençon, um dos voluntários da ONG, “...o desenvolvimento e a energia sustentáveis são uma tendência importante que é preciso seguir e fomentar. Há muito desperdício hoje em dia. Não acontece só nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, mas também nos países desenvolvidos. Os países desenvolvidos são os maiores poluidores.”

A ONG montou 36 painéis solares desde 2014 e oferece um workshop de dois dias, para quem quiser aprender a construí-los. Envolver as famílias no processo de construção é fundamental. Angel Guelari, é um dos moradores de Garín que vai usufruir de água quente em casa, graças a esta iniciativa: “São coisas que deitamos fora e que contaminam o ambiente, mas que podem ser utilizadas em algo prático, como para ter água quente em casa. É bom reciclar, eu antes nunca reciclava. Deitava tudo fora, como as garrafas – ficava tudo em sacos de plástico, porque o homem do lixo nunca passava para os vir buscar.”, lê-se no euronews. 

Para construir 30 painéis para chuveiros, são necessárias aproximadamente quatro mil e quinhentas garrafas de plástico – materiais reciclados a favor de uma melhor qualidade de vida de quem necessita.

 

Mais informações

http://pt.euronews.com/2016/11/15/argentina-paineis-solares-engarrafados (Clique no link para ver o vídeo relacionado)

http://www.sumandoenergias.org/#rse

 

Ler mais ...

UAN - Exames de Acesso 2017

 

 A Universidade Agostinho Neto (UAN) informa ao público em geral que as inscrições para os Exames de Acesso 2017 para os cursos de Ciências, Ciências da Saúde, Ciências Sociais, Direito, Economia, Engenharia, Hotelaria e Turismo, Letras e Medicina, iniciam a 03 e terminam a 21 de Janeiro de 2017 no Campus Universitário, em Camama. 

As vagas disponíveis para essas categorias de candidatos serão disputadas entre si, apurando-se o que obtiver a melhor nota sem prejuízo dos seus direitos previstos no Regime Geral dos Exames de Acesso.

Para todos os cursos se reservam 5% de vagas para os Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, bem como para os seus descendentes, devendo fazer-se, na altura das inscrições, prova documental dessa condição, e para os candidatos com mobilidade reduzida. 

Os candidatos com mobilidade reduzida gozarão de prioridade no acto das inscrições, não estando sujeitos às filas que se virem a formar.  

Tanto as inscrições como os Exames de Acesso terão lugar no Campus Universitário, em Camama.

 

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO

1.Original do Certificado de Habilitações (curso médio ou pré-universitário ou antigo 7º Ano do Liceu ou Diploma Estrangeiro reconhecido pelo MED) com notas discriminadas de todas as disciplinas e anos, acompanhada de uma fotocópia do certificado que ficará arquivada, depois de confrontada com o original;

2.Comprovativo da situação militar regularizada para os candidatos em idade militar;

3.Declaração de serviço para os candidatos trabalhadores; 

4.Documento militar ou da polícia, caso seja militar ou polícia;

5.Cartão de Antigo Combatente ou de Deficiente de Guerra, caso seja Antigo Combatente e ou Deficiente de Guerra, conforme os artigos 7º e 17º da Lei nº 13/2002, de 15 de Outubro, da Lei do Antigo Combatente de Guerra;

6.Cartão de Antigo Combatente (será do familiar??), caso seja familiar de Antigo Combatente;

7.Bilhete de Identidade (BI) ou Passaporte (no caso de estrangeiros), acompanhado de uma fotocópia que ficará arquivada, depois de confrontada com o original;

8.Ficha de Inscrição devidamente preenchida (a ser fornecida no local da triagem);

9.Três (3) fotografias coloridas tipo passe e recentes.

10.Pagamento de: 

♣4.000, 00 kz (quatro mil Kwanzas), por uma (1) opção; 

♣6.000,00 kz (seis mil Kwanzas), por duas (2) opções, se forem pagas ao mesmo tempo num único documento (talão de depósito ou talão de transferência). 

Este valor deverá ser transferido ou depositado exclusivamente no Banco de Fomento Angola – BFA. 

Conta n.º 940643930001(AKZ) 

IBAN: AO06000600000 940643930152.

Obs.: Na altura da inscrição, o candidato deverá juntar a prova documental do depósito ou transferência bancária à restante documentação acima mencionada. 

 

Outras Informações:

http://www.uan.ao 

Ler mais ...

Excessivas Concentrações de Sais Prejudicam Solos da Funda

Esta é a conclusão de um estudo desenvolvido por investigadores do Centro Nacional de Investigação Científica (CNIC), em parceria com a Universidade Independente de Angola, a Estação de Desenvolvimento Agrário de Cacuaco e o Laboratório de Agricultura e Pecuária. 

De acordo com o estudo, inserido no Projecto 3.9/015-Avaliação dos Solos da Funda Afectados por Sais,  as excessivas  concentrações de sais na superfície do solo de uma das principais regiões agrícolas da província de Luanda, a comuna da Funda, está a provocar a morte de determinadas culturas. 

A salinização do solo é um problema que vem crescendo em todo o mundo, principalmente em regiões áridas e semi-áridas, decorrente de condições climáticas e da agricultura irrigada. Estima-se que existam no mundo cerca de 1 a 5 bilhões de hectares de solos afectados por sais e em Angola estes ocupam uma área de 11.484 km2, representando cerca de 0,92% do território nacional.

As amostras de água e de solo para esse estudo foram recolhidas em Agosto de 2015 no perímetro agrícola da Funda Prédio, no Mukulo e na Cooperativa da Funda e analisadas no Laboratório Central de Agricultura e Pecuária.

Para muitas famílias camponesas, a comercialização de produtos agrícolas ainda constitui a única fonte de receitas para a resolução dos problemas sociais e económicos. Por consequência, a presença de sais solúveis na camada arável do solo pode comprometer a actividade agrícola na região. 

Os solos afectados por sais, também conhecidos por solos halomórficos, são desenvolvidos em condições imperfeitas de drenagem. E em função do seu nível de salinidade podem ser classificados em: Solos Salinos (quando apresentam elevadas concentrações de sais Na, Ca, Mg, K na solução do solo), Solos Sódicos (quando o teor de sódio disponível promove a dispersão e lixiviação de coloides ao longo do perfil) e Solos Salino-Sódicos (quando apresentam as características de ambos).

Num encontro realizado a 19 de Outubro do ano em curso que envolveu a equipa de investigação, agricultores das zonas em estudo e técnicos da Estação de Desenvolvimento Agrário, concluiu-se que: 

  1. A água da Vala de Espanha utilizada para irrigar os solos da Funda Prédio é de média salinidade e pode ser utilizada sempre que houver uma lixiviação de sais.
  2. A água de rega da Lagoa da Kilunda é de média salinidade e de sodicidade média e esta classe de água não pode ser utilizada em solos argilosos predominantes na região do Mukulo.
  3. A água de rega da Lagoa da Cooperativa apresenta alta salinidade, essa água só pode ser utilizada na irrigação de espécies vegetais de alta tolerância a sais.
  4. A alta concentração de sais presentes em determinadas zonas da Funda pode ser atribuída à água utilizada para a irrigação.

A equipa de investigação pretende recolher novas amostras, já neste mês de Novembro, para contrapor os anteriores. 

 

Para informação adicional contacte

Dr. Domingos Bongue, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. , 926 289 870

Lic. Albertina Natália Chitombi, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. , 939 742 542

Dr. Pedro Guilherme João, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. , 923 524 803

Dr. João Carlos Ferreira, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. , 924 224 839

 

Ler mais ...

Comunicado Final da 1ª Conferência de Engenharia e Arquitectura da FEUAN

O Comunicado Final da 1ª Conferência de Engenharia e Arquitectura da Faculdade de Engenharia (CEAFE) da Universidade Agostinho Neto já está disponível (clique aqui para fazer download). 

Relembra-se que a CEAFE, com o lema “Contribuições para a melhoria da qualidade de vida”, realizou-se nos dias 25, 26 e 27 de Outubro de 2016, no Anfiteatro do Departamento de Arquitectura sito na Avenida Ho Chi Min nº 201, Luanda. 

 

Objectivos

1 – Tornar público toda a Produção Científica desenvolvida nos cursos da Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto que contribua para a melhoria da qualidade de vida.

2 – Debater com ministérios, empresas e governos provinciais de Luanda e Bengo uma melhor utilização da produção técnica e científica da Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto por parte destas instituições.

3 - Facilitar um melhor enquadramento dos finalistas no mercado de trabalho.

 

Público-alvo 

Preferencialmente representantes das instituições de ensino superior e de investigação científica, dos ministérios, das empresas e governos provinciais.

 

Painéis

  • Arquitectura
  • Engenharia do Ambiente
  • Engenharia Civil
  • Engenharia Electrotécnica
  • Engenharia Informática
  • Engenharia Mecânica
  • Engenharia Minas
  • Engenharia Química
  • Engenharia de Petróleos 

 

Para mais informações sobre a CEAFE:

https://sites.google.com/site/ceafeuan/edicao-2016

 

Ler mais ...

Sul-africana Cria Solução Prática para Combate à Seca

Kiara Nirghin é o nome que prevaleceu dentre os candidatos a vencedor da Feira de Ciências da Google, na Califórnia, Estados Unidos da América. A sul-africana vencedora do prémio de 50 mil dólares, criou um projecto que apresenta uma solução para o actual período de seca do seu país. 

Para a adolescente de 16 anos de idade, da 11ª classe da escola St. Martin, a solução residia nos polímeros super absorventes à base de cascas de laranja com capacidade de absorção de água de até 76.1 %. De grande utilidade, os polímeros super absorventes são materiais hidrofílicos capazes de absorver grandes quantidades de água ou soluções aquosas. São muito usados, por exemplo, em fraldas de bebés. 

No entanto, a grande particularidade do estudo em causa diz respeito ao facto dos polímeros super absorventes desenvolvidos serem substâncias de alta absorção de água biodegradáveis, menos dispendiosos, ou seja, uma maneira prática e barata de combater a seca. Com essas substâncias as plantas poderão reter água durante mais tempo no período de seca.

Quarenta e cinco (45) dias foi tempo suficiente para desenvolver a solução apresentada, tendo submetido as cascas de laranja e de abacate aos processos de fervura, secagem ao sol e cozimento ao forno como forma de testar a capacidade de absorção em vários níveis. 

Kiara pretende desenvolver a sua criação em larga escala. Diz que teve interesse por química desde criança. Experiências de soluções com vinagre e fermento culinário em copos descartáveis faziam parte do seu convívio infantil, bem como o interesse pela ciência da culinária e dos processos envolventes. A adolescente pretende continuar os seus estudos em ciência, o que pode garantir outros contributos. 

 

Texto original

http://www.redeangola.info/jovem-sul-africana-premiada-pela-google-por-mecanismo-de-combate-seca/

 

Outras informações

https://www.googlesciencefair.com/pt-BR/

http://web.tecnico.ulisboa.pt/~mcasquilho/compute/_fitting/Ing98-DC_Quim8.pdf

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais