Menu

Angola na Sessão Anual da Comissão das Nações Unidas para Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento, em Genebra, Suíça

 

NOTA DE IMPRENSA

ANGOLA NA SESSÃO ANUAL DA COMISSÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO, EM GENEBRA, SUÍÇA

 

A Ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Bragança Sambo, participa desde hoje (Segunda-feira), em Genebra, na 22ª sessão anual da Comissão das Nações Unidas para Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento (CSTD), para analisar as oportunidades e desafios resultantes de descobertas científicas para o desenvolvimento sustentável.

Durante a abertura da sessão anual, a Ministra Maria do Rosário Bragança Sambo, que se faz acompanhar da representante de Angola em Genebra e demais organizações internacionais, Margarida Izata, considerou o encontro bastante positivo, por constituir uma soberana oportunidade de intercâmbio e troca de experiência entre os distintos países, através de uma discussão de alto nível de temas que convergem para a melhor implementação da Agenda 2030.  

O evento que se prolongará até ao dia 17 do corrente mês, conta com a realização de um diálogo entre eminentes cientistas que analisam o papel da ciência, tecnologia e inovação para a construção de resiliência das comunidades e uma mesa redonda para discutir o impacto do rápido crescimento tecnológico para o desenvolvimento sustentável.

No entender da Ministra angolana do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Angola tem ainda como desafios superar as assimetrias que desfavorecem as regiões do Leste e do Sul, vencer o analfabetismo, atingir a taxa de escolarização básica de 100 por cento, bem como reforçar a educação básica e de nível médio na formação em domínios de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

No campo da segurança alimentar, disse que embora ainda existam desafios, a convergência da investigação científica em biologia vegetal com tecnologias para melhoria direccionada de certas características pode contribuir para produzir variedades de muitas culturas de melhor qualidade, para aumentar a produtividade e a resiliência das culturas às mudanças climáticas.

Em Angola, o Centro de Recursos Fitogenéticos da Universidade “Agostinho Neto” é, na opinião da Ministra Maria do Rosário Bragança Sambo, a instituição de investigação e desenvolvimento que trabalha com os agricultores, colhendo variedades de sementes para estudos de melhoramento genético. 

Todavia, os avanços na investigação dependem ainda de um significativo investimento em biotecnologia e em capacitação humana que terá de ser feito, esclareceu.

O programa desta 22ª sessão anual da Comissão das Nações Unidas para Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento (CSTD), reserva uma excursão dos Ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação à Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), para visitar o maior laboratório de física de partículas do mundo. 

 

Serviços de Imprensa da Missão Permanente da República de Angola Junto das Nações Unidas em Genebra, aos 13 de Maio de 2019. 

Ler mais ...

Cientistas Estão a Usar o Pictionary para Ensinar "Senso Comum" à Inteligência Artificial (IA)

A inteligência artificial (IA) tem feito avanços incríveis na análise de dados para a busca de padrões ocultos, mas ainda não chega perto da capacidade humana em compreender um determinado contexto ou o senso comum. A impossibilidade da IA em compreender o senso comum é um dos principais obstáculos para o desenvolvimento de chatbots (programas informáticos de conversação automática) e assistentes de voz que sejam genuinamente úteis. Além disso, enquanto os programas de IA podem prejudicar os melhores jogadores humanos de muitos jogos, como o xadrez, o Go e (mais recentemente) o StarCraft, dominá-los oferece apenas uma pequena medida de IA. Para ajudar os algoritmos a aprenderem sobre o senso comum, o Allen Institute for Artificial Intelligence criou uma tarefa incomum: colocar algoritmos de aprendizagem automática a jogar o Pictionary, de modo a perceberem como o mundo funciona. 

Em que consiste o jogo? O jogo consiste em a máquina adivinhar que frase está por trás de um desenho. Pode ser um jogo frívolo depois do jantar, mas o Pictionary talvez pudesse dar aos programas de IA uma compreensão mais profunda de como os conceitos se encaixam no mundo real. Os Investigadores do Allen Institute for Artificial Intelligence acreditam que o Pictionary poderia impulsionar a inteligência das máquinas além dos seus limites actuais. Para esse fim, eles criaram uma versão online do jogo que junta um jogador humano com um programa de IA. Isso faz com que seja o veículo perfeito para ajudar a ensinar máquinas. A equipa desenvolveu uma versão online do jogo, chamada Iconary, que junta um utilizador e um programa de IA chamado Allen AI. Ambos podem apresentar-se como o artista e o adivinho. Jogando como artista, o utilizador recebe uma frase e depois esboça as coisas para as transmitir. Os esboços são primeiro transformados em ícones de clip art usando a visão computacional; então o programa de computador tenta adivinhar a frase a partir de um banco de dados de palavras e conceitos e de relação entre eles. Se o programa receber apenas parte da frase, ele pedirá que outra imagem seja esclarecida. Dando a frase “virando uma página”, por exemplo, um jogador pode tentar desenhar um livro, uma mão e uma seta curva. Nesse caso em particular, o programa Allen AI adivinha correctamente após apenas algumas tentativas.

O programa de IA recorre a uma combinação de técnicas de IA para desenhar e adivinhar. Com o tempo, jogando contra pessoas suficientes, a Allen AI deve aprender com o seu senso comum de como conceitos (como “livros” e “páginas”) andam juntos na vida quotidiana, diz Fahadi. Também ajudará os investigadores a explorar formas de os humanos e as máquinas se comunicarem e colaborarem de forma mais eficaz.

No total, existem 1200 ícones, 75 000 frases possíveis e um vocabulário de 20 000 palavras. E existem dois modos: fácil e difícil. O objectivo é criar um quadro de líderes para destacar o espírito competitivo das pessoas e ajudar a acelerar a aprendizagem da IA. Fahadi diz que Iconary é uma medida melhor de IA do que o Go ou o xadrez, porque requer uma inteligência muito mais ampla. “Os jogos têm sido uma plataforma de sucesso para testar IA”, diz ele, “mas a inteligência é mais do que correspondência de padrões”.

Eventualmente, afirma, poderia ser utilizado como um novo tipo de teste de Turing – os jogadores poderiam tentar adivinhar se o companheiro de equipa deles é humano ou uma máquina.

Mais informação, clique aqui.

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais