Menu

A Reprodução dos Cogumelos como Factor Decisivo na Cultura Alimentar do País

 

A 6ª edição do Café com Ciência e Tecnologia, realizada a 6 de Julho, sob o tema “Segurança Alimentar e Nutricional - O Caso dos Cogumelos”, reuniu nutricionistas, investigadores, docentes, empresários e estudantes, que aprofundaram os seus conhecimentos sobre o cultivo de cogumelos e o seu valor nutricional e medicinal.

Os cogumelos são corpos de frutificações de fungos pertencentes aos filos Ascomycotas e Basidiomycotas. Estes organismos fazem reprodução sexuada pela junção de hifas. Segundo o investigador Hilário Gomes, “os cogumelos já existem há anos servindo como iguaria aos Faraós do antigo Egipto e servido em grandes festas na Grécia”. Estes organismos particularizam-se pelo seu grande teor de carbo-hidratos, proteínas, gordura, além da acção antioxidante e reforço do sistema imunitário. O aspecto peculiar dos cogumelos é o facto de alguns serem comestíveis e outros não, uma vez que alguns são venenosos.

O cultivo do cogumelo é feito por meio de procedimentos científicos. Existem passos de reprodução dos cogumelos que passam pelo cultivo da sua semente, cientificamente conhecida por micélio, que é colocada em substratos apropriados, esterilizados, sob condições assépticas. A investigadora Eunice Mateus, explica que “A produção deste micélio requer alguns procedimentos como: preparação do meio de cultivo, conservação da semente em tubo de ensaio ou placa petri, isolamento de tecidos de cogumelos frescos que à partida são conservados em frascos com grãos de milho para produção de Spawn [grãos colonizados por micélio de cogumelos], conservação destes grãos em frascos de vidro de 500g, esterilização dos frascos de vidro na autoclave, etc”. 

A autoclave é o aparelho em que a semente é exposta a uma temperatura acima de 100 ºC que seria neste caso a temperatura ideal na eliminação de micro-organismos que em meios rurais pode ser substituído por tambor aquecido a lenha ou outra fonte de combustão. A técnica Jun-cao, iniciada em 1983 na China pelo Professor Dr. Lin Zhanxi e Dr. Lin Zhanhua, permite a mistura de Spawn com diferentes tipos de palhas (de milho, de arroz ou de bananeiras) onde o mesmo se desenvolve em ambiente húmido até frutificar. Este é um método acessível aos meios rurais, sem condições laboratoriais para o cultivo de cogumelos.

O estudo desenvolvido enquadra-se no projecto “Cultura de Cogumelo”, do Centro Tecnológico Nacional (CTN), tutelado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MINCT), encontrando-se já em fase de criação o banco de gemoplasma de cogumelos de interesse alimentar e medicinal. O banco conta já com 24 amostras colhidas em diversas regiões do país. As 24 amostras permitirão a classificação dos cogumelos e o conhecimento das espécies existentes.

“O papel fundamental do CTN nesta área de pesquisa é, acima de tudo, o de beneficiar as populações, tendo em conta que só se faz a colheita para consumo em tempo chuvoso. Treinar os camponeses para que tenham forma de renda com o cultivo, perspectivando a criação de um banco de gemoplasma. Desta forma os camponeses passam a colaborar no cultivo enquanto nós colaboramos na área de pesquisa dos cogumelos consumíveis pela sociedade e de possível reprodução”, afirmou Hilário. 

O contributo desta manhã científica, que contou com uma demonstração física dos procedimentos laboratoriais em ambiente externo, deixou bem patente o papel preponderante da ciência no âmbito da diversificação económica no país. 

Este é mais um projecto, dentre os vários do MINCT, com grandes perspectivas de futuro, tendo em conta o seu nível de abrangência e pesquisa. 

Ler mais ...

Ministra da Ciência e Tecnologia anuncia criação da Academia de Ciências de Angola

Durante a 1ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, a Ministra da Ciência e Tecnologia, Cândida Teixeira, deu a conhecer aos participantes deste conselho Directores Nacionais, Investigadores e docentes das instituições que se dedicam a investigação científica alguns projectos a serem implementados no país, dentre os quais a criação da primeira Academia de Ciências de Angola (ACA) e as Instituições de Divulgação da Ciência (IDC).

A ACA é um projecto previsto no Plano Nacional de Desenvolvimento que deverá ser criado até finais de 2017, estando ainda em discussão. Despois de discutido, o projecto será submetido à Comissão para a Política Social e daí à aprovação do Conselho de Ministros. Com a sua aprovação, de acordo com a ministra, a ACA actuará como sociedade científica e vai contribuir para o estudo de temas de grande importância para formulação de políticas públicas. A sua principal função deverá ser o desenvolvimento científico do país, a interação entre os cientistas angolanos e estrangeiros, acrescentou a ministra.

No Conselho foram também abordadas questões relacionadas com o Plano Anual de Ciência Tecnologia e Inovação (PLANCTI) e os moldes de adequação das Instituições Públicas de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (IDI) ao novo Decreto Presidencial 125/15, de 1 de Junho. O Ministério da Ciência e Tecnologia (MINCT), na voz da sua titular, voltou a reforçar o apoio deste departamento ministerial no processo de adequação dos Estatutos Orgânicos das IDI ao Decreto vigente.

Por outro lado, a governante disse que a sociedade deve esperar pela organização do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI), através de recolha de contribuições e formas de trabalho deste sistema que passam pela formação de quadros, investigadores, entre outros.

Nesta lógica, a governante frisou que “a nível da formação está o Programa Nacional de Formação Doutoral em Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI), criado pelo MINCT com apoio da UNESCO e da Fundação Calouste Gulbenkian, mas que se regista um abrandamento devido à situação económica que o mundo vive”.  O MINCT tem a obrigação de formar até 2020, no âmbito do Programa Nacional de Formação de Quadros (PNFQ), 140 doutores nas áreas de incidência da Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI), nomeadamente, Agricultura e Pescas; Telecomunicações e Tecnologias de Informação; Indústria, Petróleo, Gás e Recursos Minerais; Saúde; Recursos Hídricos; Energia e Ambiente.

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais