Menu

Mesentério: o Novo Órgão do Corpo Humano

 

 

O mesentério, até pouco tempo, era conhecido como uma membrana intra-abdominal do sistema digestivo. Os primeiros estudos do mesentério remontam ao século XVI, com uma publicação de Leonardo Da Vinci. Porém, um estudo mais recente publicado na revista britânica de medicina The Lancet Gastroenterology & Hepatology, desenvolvido por um grupo de investigadores, coordenados por J. Calvin Coffey, cientista da Universidade Hospital de Limerik, Irlanda, acredita agora que mesentério é, na verdade, um órgão único e contínuo.

 

J. Calvin Coffey, estuda, há anos, o mesentério e para ele "A descrição anatómica que foi feita nos últimos 100 anos de anatomia estava incorrecta. Este órgão está longe de ser fragmentado e complexo. É simplesmente uma estrutura contínua".

 

Embora este estudo não indique a ocorrência de uma alteração no funcionamento do aparelho digestivo, a confirmação de que esta estrutura é efectivamente um órgão "novo" abre caminho para novos estudos que possam levar ao tratamento de doenças abdominais e digestivas, com menos cirurgias invasivas e menos complicações na recuperação. 

 

É necessário entender melhor a função do novo órgão. "Esse é o próximo passo. Se entendemos sua função, podemos identificar as anomalias, e estabelecer quando há uma doença, ou seja, quando o órgão passe a funcionar de modo anormal", afirma Coffey, em nota enviada à imprensa.

 

Desde 2012 que J. Calvin Coffey e a sua equipa realizam exames microscópicos detalhados ao mesentério. Os cientistas foram reunindo informação que permitiu, agora, reclassificá-lo, tornando-o oficialmente, no "novo" órgão do corpo humano.

 

 

Artigo original:

http://www.jn.pt/mundo/interior/o-corpo-humano-tem-mais-um-orgao-do-que-se-pensava-5586536.html 

 

Mais informações 

http://www.bbc.com/portuguese/geral-38505488

Ler mais ...

Cigarros Electrónicos: Sim ou Não?

 

São muitas as vozes que se levantam a favor e ao incentivo do uso de cigarros electrónicos, por os considerarem serem mais saudáveis do que os cigarros convencionais, sendo recomendáveis para quem queira deixar de fumar. Com estes argumentos, os cigarros electrónicos têm ganho muita popularidade. Cresce cada vez mais o número de pessoas a optarem por estes cigarros. Ainda persistem dúvidas sobre os efeitos secundários da nicotina de cigarros electrónicos, considerando-se, por uns, não causar problemas de saúde em adultos, apesar do vício eminente. Há do mesmo modo, vozes a desaconselhar o uso. Perante os prós e contras ao uso dos cigarros electrónicos, não é de estranhar que em algumas investigações realizadas, com vista a identificarem agentes cancerígenos e tóxicos no valor de cigarros electrónicos, encontrem-se vários destes agentes, a exemplo do formaldeído e o acetaldeído, a níveis nove vezes mais baixos e 450 vezes mais baixos, respectivamente, do que nos cigarros convencionais e noutras investigações a níveis muito superiores.  

Porém, um artigo publicado no Jornal Português “Público” revela que fumar cigarros electrónicos pode não ser tão inócuo como se pensa. Pois, “os cigarros electrónicos são inaladores de nicotina, dissolvida numa mistura de glicerina (ou propilenoglicol), água e substâncias aromatizantes. A solução é aquecida e transforma-se num vapor muito fino, que é inalado.”, lê-se no Público. Neste processo de aquecimento da solução, embora não se libertem produtos como os da combustão do tabaco, ocorre como reacção química a liberação de um aerossol de nicotina. 

De acordo com a Fundação Portuguesa do Pulmão, “no aerossol dos cigarros electrónicos encontram-se quantidades variáveis de formaldeído, acetaldeído, acroleína, tolueno, xileno, cadmio, níquel e chumbo, que são substâncias reconhecidamente tóxicas. A nicotina é transportada em partículas ultra-finas.” Lembremos que a nicotina é o princípio activo do tabaco, sendo por isso, como considera essa fundação, “um mito considerar que o utilizador de cigarros electrónicos apenas está a inalar nicotina e que o seu uso não induz fumo passivo nos não fumadores, uma vez que a nicotina é reconhecidamente um tóxico, com efeitos significativos na saúde dos que a ela estão expostos e que no tabaco é a droga que induz dependência!”

É assim que se considera que “os cigarros electrónicos parecem bem menos tóxicos, mas estão muito longe de serem inócuos.” E isso vale também para os vapeadores passivos. (...) os investigadores alertam em particular para riscos de toxicidade do vapeamento passivo das crianças. (...) a exposição durante a gravidez afecta negativamente o desenvolvimento cerebral do feto, aumenta o número de partos prematuros e de nados-mortos. Na adolescência, a nicotina também tem consequências negativas no desenvolvimento do cérebro.”

Relativamente à teoria de que os cigarros electrónicos ajudam a deixar de fumar, verificam-se, segundo dá conta o Público, divergências entre os vários estudos, uma vez que “Uma investigação realizada nos Estados Unidos revelou que 22% dos fumadores que vapeavam diariamente deixaram de fumar ao fim de um mês e 46% ao fim de um ano. Segundo um inquérito realizado no Reino Unido quase metade dos vapeadores são ex-fumadores”. Outro trabalho conclui que “há um maior risco de reincidência no tabagismo entre utilizadores de cigarros electrónicos”. Também há indicações que “alguns adolescentes que nunca fumaram iniciam o consumo de nicotina através dos cigarros electrónicos”.

 

Mais informações:

https://www.publico.pt/ciencia/noticia/os-cigarros-electronicos-sao-inocuos-como-iogurtes-1744306?page=-1

http://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/CIGARROS_ELECTRONICOS-MITOS_E_REALIDADES.html

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais