Menu

MESCTI Realiza a 9.ª Edição da Feira do Inventor/Criador Angolano (FeICA)

O Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação (MESCTI) realiza de 14 a 16 de Setembro de 2018 a 9.ª Edição da Feira do Inventor/Criador Angolano (FeICA), uma actividade técnico-científica e cultural que se insere nos programas do Governo angolano de Promoção da Cultura Científica e da Transferência de Tecnologia e Empreendedorismo de Base Tecnológica. 

A FeICA tem como finalidade disseminar acções relacionadas com a Ciência, Tecnologia e Inovação e reconhecer trabalhos desenvolvidos por diferentes actores nacionais e estrangeiros que se dedicam à Ciência, Tecnologia e Inovação. 

Nesta 9.ª Edição, em que se estima a participação de 200 expositores e projectos de diversas áreas do saber, o MESCTI privilegia ideias, protótipos e produtos orientados para as áreas das Engenharias, Ciência e Tecnologia, Educação, Saúde e Agricultura.

Estarão ainda em divulgação vários atractivos sobre Ciência, Tecnologia e Inovação, tais como: Vídeos, plataformas A, B, C e Z da Programação, Inclusão Digital com Conteúdos Educacionais, Weza – A Criança e o Computador; A Criança e o Mundo Digital, Ciência Yetu, Reciclagem Electrónica, Fascínio das Plantas, Passeio Micológico, Imagine Cup, Feira ANEUD, Negócios Sustentáveis, Prémios Estrelas DSTV - Eutelsat e Incubadora de Ovos (Africa Innovation Foundation – AIF). 

 A 9ª Edição da FeICA decorrerá no espaço do Centro Nacional de Investigação Científica (CNIC) e Centro Tecnológico Nacional (CTN),  sito na Avenida Ho Chi Minh S/N, em Luanda.

 

Para mais informação consulte o aqui o regulamento e o programa da actividade, em anexo.

 

Ler mais ...

Os Perigos da Pseudociência

São cada vez mais numerosos os casos de pseudociência na produção científica mundial, sem que haja algum sinal de abrandamento ou pausa. 

Ao lado da ciência poderá estar a pseudociência, pois o conhecimento também pode ser falsificado. A pseudociência, protagonizada por “cientistas”, caracteriza-se pelo uso de métodos não-científicos  que abrangem ideias e medidas incorrectas, e outras formas de má ciência, sem qualquer fundamentação científica.

No âmbito de uma colaboração denominada Fake Science (pseudociência), alguns meios de comunicação internacionais, como a NorddeutscherRundfunk (NDR), o SüddeutscheZeitung, o The New Yorker, o Aftenposten e o Le Monde investigaram a extensão e o impacto do fenómeno da pseudociência. Na investigação, o Le Monde procurou saber a forma como a pseudociência se manifesta. Tendo verificado que durante uma década, editoras como Omics e ScienceDomain (Índia), Waset (Turquia) e a Scientific Research Publishing (China) criaram centenas de revistas de acesso aberto sem qualquer equipa editorial. Cobram taxas para quem quiser publicar trabalhos, sem precisar passar pela revisão por pares. A revisão por pares, antes de qualquer publicação científica, é um dos principais passos para a construção da ciência, na medida em que há a validação por diferentes especialistas. 

O mesmo mecanismo existe para conferências científicas: muitas vezes são solicitadas por correio electrónico, os investigadores registam-se, pagando uma taxa, para apresentar seu trabalho. Mas muitas vezes não há ninguém para ouvir essas conferências simuladas.

A Internet é o meio de difusão da pseudociência. João Cerqueira, médico e autor do blogue Scimed, numa entrevista ao jornal português o Público, afirma que o “problema é o da literacia das pessoas, que vão à Internet e não conseguem diferenciar a informação credível de pseudociência”. 

É importante distinguir a ciência da pseudociência, fundamentalmente quando diz respeito a questões de saúde. Isto porque, como considera Sven Ove Hansson, a ciência médica se desenvolve e avalia tratamentos segundo as provas da sua eficácia. Actividades pseudocientíficas nessa área dão origem a intervenções ineficientes e por vezes perigosas. 

Uma forma de fugir aos perigos da pseudociência, é começar por verificar se há referência a estudos científicos e, de seguida, procurar saber que tipos de estudos são esses. “Usam-se estudos laboratoriais, estudos feitos em animais e com baixas amostragens para validarem teorias que já foram descredibilizadas em estudos clínicos [em pessoas]”, frisou João Cerqueira.

 

Artigo orginial: Le Monde

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais