Menu
Portal Ciencia.ao

Portal Ciencia.ao

Entrevista: Magnífica Reitora da UAN. "Não podemos dizer que há financiamento para a Ciência, Tecnologia e Inovação em Angola"

 

Dados Pessoais:

Nome: Maria do Rosário Bragança Sambo

Natural de: Benguela

Formação: Médica Neurologista; Doutoramento em Medicina, Especialidade de Genética

Cargo actual: Reitora da Universidade Agostinho Neto (UAN)

Cargos que ocupou anteriormente: Decana da Faculdade de Medicina da Universidade Katyavala Bwila (Janeiro de 2011- Julho de 2015)

 

1. Ciencia.ao: Como é que a Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI) podem contribuir para a diversificação da nossa economia e consequente desenvolvimento do país? 

O desenvolvimento do país, do ponto de vista de crescimento económico, pressupõe a identificação das principais necessidades da sociedade, enfrentando os problemas locais e globais. A ciência, a tecnologia e a inovação têm em comum a particularidade de produzirem resultados que podem conduzir a novas abordagens e soluções para os problemas identificados na sociedade.  A informação sobre a reprodutibilidade dos resultados e a aplicabilidade daquelas novas abordagens e soluções, bem como a avaliação do seu impacto são importantes para a tomada de decisões.  

 

2. Ciencia.ao: Sente-se, enquanto gestor, satisfeito com a visibilidade da CTI realizada em Angola? Se não, o que julga ser necessário fazer?

A visibilidade da CTI depende da sua produção e da sua divulgação, quer para o grande público, quer para destinatários específicos, isto é para os que se interessam por certas áreas científicas com publicações científicas. A visibilidade da CTI realizada em Angola ainda é muito débil, apesar de se reconhecer que, sobretudo desde a última década, a produção científica de Angola aumentou, evidenciada por um maior número de acções de divulgação científica e de publicações científicas realizadas fundamentalmente por instituições de ensino superior e por alguns centros de investigação. O aumento da visibilidade da CTI depende, antes de tudo, do aumento da sua produção. Não se pode tornar visível o que não se produz e se produzimos pouco e ainda assim não divulgamos e não publicamos, então a visibilidade não pode aumentar. Portanto, é preciso criar condições para aumentar a produção e a sua divulgação e publicação científica.

 

3. Ciencia.ao: Qual a sua opinião sobre a actual produção científica dos angolanos? O que se pode fazer para melhorar?

Esta resposta está interligada com a anterior. Quem produz ciência? Onde é que habitualmente se produz ciência? Os investigadores são os produtores de ciência e para tal é preciso formar recursos humanos habilitados a este exercício regular. Quando falo em recursos humanos habilitados não me refiro exclusivamente aos doutores, mas também a técnicos de laboratório capacitados e a programas de formação pós-graduada permanentes que não sobrevivem sem a investigação científica realizada por estudantes de mestrado e de doutoramento, devidamente orientados. As nossas instituições de ensino superior, sobretudo as universidades e em redes de cooperação, devem ser potenciadas em recursos de vária ordem conducentes à concretização de programas de doutoramento, devendo-se priorizar as áreas científicas já identificadas no Plano Nacional de Formação de Quadros. Este processo deve ser paralelo com a actualização dos curricula dos cursos superiores, nestas mesmas áreas prioritárias, dando-se um enfoque especial à metodologia de investigação científica e à iniciação à investigação científica, de modo a ter um “viveiro” de potenciais candidatos a investigadores.

 

4. Ciencia.ao: Como acha que está o país em termos de documentos reitores da CTI? E quanto à sua aplicação? 

De falta de documentos não nos podemos queixar, mas o mesmo não poderei dizer da sua aplicação que encontra obstáculos na falta de condições efectivas para a investigação.

 

5. Ciencia.ao: Julga que a actual carreira de investigador científico satisfaz as necessidades do país nesse domínio? Pensa que esta é atractiva? Se não, como se pode atingir esse fim?

Julgo que o problema não reside exclusivamente na carreira do investigador científico. A desejável interligação do ensino, investigação e extensão na docência na educação terciária pode ser o motor transformador de uma realidade como a nossa em que a exiguidade de recursos humanos qualificados é uma realidade insofismável. Quero dizer que mesmo que a carreira do investigador fosse atractiva com que recursos os quadros iriam trabalhar? 

 

6. Ciencia.ao: O que pensa do actual estado de recursos humanos em CTI no país? O que se pode fazer para melhorar?

Eu continuo a insistir no papel das universidades, porquanto são as instituições vocacionadas para a capacitação dos recursos humanos, em múltiplas vertentes, que é um factor crítico para o sucesso. A operacionalização do plano de formação pós-graduada, que consta do PNFQ, tem de se efectuar com as universidades, sob a forma de contratos, de acordo com o avanço já alcançado em certos domínios, mas assegurando-se condições efectivas para a sua realização. Temos de sair de um plano abstracto para um plano realista, concreto e exequível.

 

7. Ciencia.ao: Qual a sua visão sobre o estado actual do financiamento da CTI em Angola? O que pode ser feito para melhorar?

Não podemos dizer que há financiamento para a CTI em Angola. Sem uma agência, independente, que seja dotada de fundos públicos para que de um modo regular e transparente possibilite a submissão de projectos de investigação para a obtenção de financiamento, através de editais, não teremos condições para modificar substancialmente o quadro actual. Naturalmente que os investigadores têm a obrigação de estar atentos s fontes de financiamento externo para concorrer no quadro de parcerias internacionais, mas tem de haver um montante de despesa pública, devidamente identificado, para a investigação científica. Aliás, é uma recomendação da UNESCO. 

 

8. Ciencia.ao: Julga que existem instrumentos suficientes (por exemplo revistas científicas nacionais, conferências nacionais, etc.) para que os investigadores possam publicar os seus trabalhos? Se não, o que se pode fazer para melhorar?

Ao nível nacional, variando de uma região académica para outra, existem muitas iniciativas de fóruns para apresentação e discussão de trabalhos científicos, nas mais diversas áreas. No entanto, tal como referi atrás, a falta de recursos para a investigação limita a quantidade e a qualidade dos trabalhos. A divulgação e a publicação de trabalhos científicos tem custos que geralmente dificultam ou mesmo inviabilizam estas acções.

 

9. Ciencia.ao: O que pensa da avaliação às instituições de investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação, e aos respectivos investigadores?

A avaliação efectuada com rigor é imprescindível para a identificação das debilidades das instituições e dos recursos humanos e para a planificação e execução de acções prioritárias para a paulatina superação.

 

10. Ciencia.ao: Enquanto investigadora, quais as suas linhas de investigação? 

  • Genética das doenças complexas
  • Educação Médica

 

11. Ciencia.ao: Enquanto investigadora, quais os principais projectos de investigação científica que já realizou, estão em curso ou planeia realizar?

  • Genética da malária cerebral – factores genéticos de susceptibilidade e resistência em crianças angolanas (Hospital Pediátrico David Bernardino) - realizado
  • Malária e gravidez no Hospital Geral de Benguela – factores clínicos e laboratoriais – realizado
  • Malária falciparum em grávidas na província de Benguela: as lesões placentárias, a resposta imunológica e os marcadores de susceptibilidade genética à infecção placentária – aprovado pelo PLANCTI e a aguardar financiamento

 

12. Ciencia.ao: Como investigadora, que avaliação faz da investigação científica no seu ramo? 

Existe um número crescente de publicações científicas sobre factores genéticos de susceptibilidade/resistência à malária em populações africanas, procurando a identificação de bases moleculares da fisiopatologia com o objectivo de melhorar a terapêutica e contribuir para a concepção de vacinas contra a malária. 

 

13. Ciencia.ao: Tem apresentado à sociedade os resultados das suas investigações? Se sim, como?

Os resultados da investigação têm sido apresentados em jornadas científicas, congressos nacionais e internacionais e em revistas científicas com revisão por pares. 

 

14. Ciencia.ao: Na sua óptica, como deve ser a relação entre as Instituições de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação e as Instituições de Ensino Superior? Verifica-se esta prática actualmente?

Deve ser uma relação de parceria, complementaridade e cooperação com vista ao desenvolvimento. Esta prática é imperceptível.

 

15. Ciencia.ao: Em termos de cooperação científica, como avalia o estado do país, e da sua Instituição em particular?

Já são evidentes sinais animadores de integração das instituições angolanas vocacionadas à investigação científica em redes de cooperação internacional, sobretudo para a realização de projectos conjuntos e submissão para a obtenção de financiamento. As Unidades Orgânicas da Universidade Agostinho Neto (UAN) têm contribuído para esta integração em redes internacionais, com outras universidades e institutos de investigação científica, quer para a criação de programas de mestrado e de doutoramento na UAN, quer para a concretização de projectos de investigação. Todavia, os resultados deste esforço estão ainda longe de serem os desejáveis, mas os que já se obtiveram são encorajadores para o incremento destas acções de cooperação.

 

16. Ciencia.ao: Que importância atribui ao Conselho Nacional de CTI e ao Conselho Superior de CTI?

Lamentavelmente, na prática, não são perceptíveis os seus sinais de funcionamento.

 

17. Ciencia.ao: Que conselhos poderá dar aos jovens investigadores?

Que procurem estar integrados em rede com investigadores de outras instituições nacionais e estrangeiras, se esforcem por manter o conhecimento actualizado sobre os progressos da investigação, tecnologia e inovação nas suas áreas de interesse e que procurem espaços para apresentação de artigos científicos e de debate científico. 

  

18. Ciencia.ao: Qual a missão da UAN?

A UAN tem por missão a formação integral dos seus estudantes, a produção, difusão e transferência do conhecimento científico, tecnológico e cultural, em favor das comunidades, de acordo com os mais altos padrões internacionais, tendo em vista contribuir para a aprendizagem ao longo da vida e proporcionar valor económico, social, político e cultural à Sociedade.

 

19. Ciencia.ao: Resumidamente, qual o actual quadro da UAN em números?

  • Proporção de docentes em tempo integral em 2015: 79%
  • Número de docentes em 2014: mais de 900 (aproximadamente 370 Licenciados, 350 Mestres e 250 Doutores)
  • Número de cursos de Mestrado em 2014: 32
  • Número de Estudantes matriculados em 2014: Mais de 20000.
  • Número de Graduados em 2014: 1485

 

20. Ciencia.ao: Quais as principais dificuldades na gestão da UAN?

De acordo com o  documento "Diagnóstico da Situação – Análise SWOT UAN - 2016", há necessidade, entre outros, de intervenção no seguinte:

  • Recursos humanos
  • Avaliação sistemática e consequente do desempenho docente 
  • Sistema de garantia de qualidade
  • Plataformas de gestão informatizada
  • Integração entre a formação, investigação e extensão
  • Comunicação institucional
  • Balanço e avaliação regular das acções resultantes dos protocolos assinados 
  • Prática da Investigação Científica 
  • Editais e financiamentos públicos sistemáticos para candidatura a projectos de investigação 
  • Acções da universidade na comunidade 
  • Dispersão geográfica das infraestruturas das Unidades Orgânicas 

 

21. Ciencia.ao: Como contactar a UAN?

Morada: Rua Direita da Camama e Rua do Estádio 11 de Novembro, Município de Belas, Luanda-Sul – Angola, CP. 815. 

Portal: https://www.uan.ao

 

22. Ciencia.ao: Algo mais que gostaria de acrescentar ou recomendar?

É fundamental que se reforce a capacidade institucional das instituições de ensino superior para a ciência, tecnologia e inovação com programas específicos de desenvolvimento, devidamente financiados pelo Executivo Angolano.

 

Conheça a Khan Academy, um Recurso de Aprendizagem Personalizado para todas as Idades

A Khan Academy é um recurso online que oferece exercícios, vídeos de instrução e um painel de aprendizagem personalizado que permite as pessoas aprenderem ao seu próprio ritmo dentro e fora da sala de aula.  

Enquanto organização sem fins lucrativos, a Khan Academy tem por missão oferecer uma educação gratuita e de alta qualidade para todos, em qualquer lugar. Esta organização privilegia assuntos relacionados com a matemática, a ciência, a programação de computadores, a história, a história da arte, a economia e muito mais. Relativamente à matemática, a Khan Academy procura guiar os estudantes do jardim de infância até ao cálculo, usando tecnologias adaptativas de ponta que identificam os pontos fortes e lacunas na aprendizagem. 

Com vista a oferecer conteúdos especializados, a Khan Academy tem parcerias com instituições como a NASA, o Museu de Arte Moderna, a Academia de Ciências da Califórnia e o MIT.

Conheça por dentro a Khan Academy em: https://pt.khanacademy.org/about

 

 

Descobre a Tua Profissão! Conheça o Portal Design the Future.

O portal "Design the Future" é uma plataforma de exploração vocacional com vídeos e reportagens sobre as diversas profissões e opções formativas. Assim, qualquer pessoa pode descobrir a sua profissão! O portal baseia-se num motor de busca desenvolvido pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, Portugal.

O portal permite que o utilizador introduza os seus interesses (ex. actividades práticas, sociais, literárias, etc), capacidades (ex. artísticas, físicas, intelectuais, etc.) ou ambiente de trabalho (ex. ar livre, laboratório, etc) e disponibiliza informação sobre profissões de acordo com os dados introduzidos. Também interessante é o facto de o portal disponibilizar o perfil de profissionais actualmente no activo (em Portugal).

Por outro lado, é também possível pesquisar cursos (ex. Profissionais, Licenciatura, Mestrado, etc.) ou instituições (em Portugal) por área introduzida pelo utilizador.

Adicionalmente, o perfil de cada profissão é descrito detalhadamente, permitindo assim que o utilizador tenha uma real noção de cada profissão do seu interesse. Por exemplo, o seguinte link mostra o perfil de um Engenheiro Civil (especialidade em pontes e viadutos):

http://www.designthefuture.pt/discover_job.aspx?e=engenheiro-civil-especialista-em-pontes-e-viadutos#desc

 

 

 

Curso de SPSS Ministrado no Instituto Superior Politécnico Tocoísta - 2017

 

Com o objectivo de familiarizar os utilizadores com a análise de dados e para que façam uso das técnicas de tratamento estatístico mais usadas em relatórios profissionais e teses de mestrado e doutoramento e dirigido aos/às Mestrandos/as e doutorandos/as na área das Ciências Sociais (Sociologia, Psicologia social, Economia, Gestão, Gestão de Recursos Humanos, Serviço Social, Marketing, etc.) e profissionais que pretendam proceder ao tratamento estatístico de dados e fazer a sua interpretação, no âmbito das suas teses académicas e actividades profissionais, o Instituto Superior Politécnico Tocoísta (ISPT) avança a 1ª edição do Curso "SPSS". O SPSS é um programa de computador de apoio à tomada de decisão que inclui: aplicação analítica, mineração de dados e estatística. O software permite a transformação dos dados em informações importantes.

 

Datas e Horários

Data limite inscrição: 02 Julho 2017

Abertura do Curso: 3 Julho 2017

Turnos:

Semana (Segunda a Sexta)

Sábado (Intensivo)

Horários:

Semana das 14H00 às 17H00 (Segunda a Sexta); 

Sábado das 09H00 às 16H00 (Intensivo)

 

Duração

Duração Curso da Semana: 2 Semanas

Duração Curso de Sábado: 4 Sábados

 

Preços 

I Módulo - 40.000 AKZ;

II Módulo - 60.000 AKZ

 

Local

Instituto Superior Politécnico Tocoísta - ISPT

 

Inscrições

http://www.ispt.co/2017/cursospss/inscricao/_alunocursospss_add.php

 

Mais informações

Clique aqui para baixar o folheto informativo

http://www.ispt.co/2017/cursospss/info.htm

Luisa Sousa: +244 925 442 498 

Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais