Menu

Dengue: Mecanismos que Permitem não Desenvolver os Sintomas após uma infecção pelo vírus

Investigadores do Institut Pasteur de Paris e do Institut Pasteur do Camboja, em colaboração com equipas do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique) e do INRIA (Institut National de Recherche en Informatique et en Automatique), demonstraram que a infecção pelo vírus dengue em crianças assintomáticas está associada a uma activação do sistema imunitário, utilizando mecanismos de controlo que permitem eliminar a infecção viral sem activação excessiva da imunidade. Este estudo, publicado na revista científica Science Translational Medicine, a 30 de Agosto de 2017, representa uma etapa importante para uma melhor compreensão do papel que a imunidade desempenha na infecção pelo vírus da dengue. O estudo permitirá desenvolver novas estratégias de luta contra esta doença.

A dengue, também conhecida como "gripe tropical", continua a expandir-se dramaticamente em todo o mundo, estando actualmente classificada como uma doença emergente. A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que há entre 50 e 100 milhões de casos por ano, sendo que 500.000 pessoas adoecem com gravidade, exigindo hospitalização, e desse total, cerca de 2,5% morrem. Por outro lado, cerca de 50% da população mundial vive em áreas de risco de infecção. Inicialmente presente em áreas tropicais e subtropicais do mundo, a dengue já está a afectar a Europa.

A dengue é uma doença viral transmitida aos seres humanos através da picada dos mosquitos do género Aedes infectados com o vírus. As estirpes do vírus da dengue dividem-se em quatro serotipos imunológicos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. A imunidade adquirida em resposta a uma infecção com um dos sorotipos confere uma imunidade protetora contra o sorotipo infectante, mas não contra outros serotipos. Uma pessoa está susceptível de ser infectado por cada um dos quatro serotipos da dengue. Além disso, as infecções subsequentes por outros serotipos aumentam o risco de desenvolver dengue grave, conhecida como febre hemorrágica.

Actualmente, não há tratamento específico contra a infecção pelo vírus da dengue. A única vacina comercializada é parcialmente eficaz contra infecções aos quatro sorotipos do vírus. Todavia, a vacina não é administrável em crianças menores de 9 anos e a vacinação em 3 doses não é adequada para viajantes.

Apesar de 50 anos de investigação, os mecanismos fisiopatológicos que levam a uma evolução clínica grave da dengue, em alguns pacientes, ainda não foram elucidados com precisão. Esses mecanismos são complexos, envolvendo factores imunológicos, genéticos e virais. O elevado risco de desenvolver sintomas graves durante a infecção secundária foi associado à presença de anticorpos não neutralizantes que aumentam a infecção, em vez de a bloquear.

Algumas pessoas infectadas são assintomáticas (não apresentam sintomas) e interessa estudá-las, mas é muito difícil identificá-las para as incluir em estudos exploratórios.

Com o objectivo de identificar os mecanismos internos de controlo da infecção do vírus da dengue em pacientes assintomáticos, investigadores do Institut Pasteur de Paris, do Institut Pasteur do Camboja, do CNRS e do INRIA compararam a composição do plasma e do perfil de expressão dos genes em crianças cambojanas assintomáticas infectadas pelo vírus da dengue com a de pacientes com sintomas. Surpreendentemente, o seu trabalho revelou que os pacientes assintomáticos têm uma resposta imune controlada, em que a apresentação do antígeno registou um aumento, mas associado a uma activação medida do linfócito T e a uma produção mais moderada de anticorpos, em comparação com os pacientes com sintomas.

Anavaj Sakuntabhai, Director da Unidade de Genética Funcional de Doenças Infecciosas do Instituto Pasteur de Paris, co-supervisor destes trabalhos, sublinha que "os trabalhos de investigação, geralmente, concentram-se no estudo de pacientes doentes. Ao analisar pacientes assintomáticos infectados, este estudo pode compreender os mecanismos que permitem não desenvolver os sintomas após uma infecção. Isto convida a revisitar a composição das vacinas para melhor prevenir as infecções ".

Os resultados deste estudo original abrem o caminho para novas pistas de investigação, a fim de desenvolver uma vacina contra o vírus da dengue que possa conferir uma imunidade mais completa, prevenindo o risco de transmissão desta doença, que é uma ameaça real em todo o mundo.

 

Autores:

Etienne Simon-Lorière (1,2), Veasna Duong (3), Ahmed Tawfik (1,2), Sivlin Ung (4), Sowath Ly (5), Isabelle Casadémont (1,2), Matthieu Prot (1,2), Noémie Courtejoie (1,2), Kevin Bleakley (6,7), Philippe Buchy (3,8), Arnaud Tarantola (5,8), Philippe Dussart (3), Tineke Cantaert (4), Anavaj Sakuntabhai (1,2). 

 

1. Functional Genetics of Infectious Diseases Unit, Department of Genomes and Genetics, Institut Pasteur, 75015 Paris, France. 

2. CNRS, Unité de Recherche Associée 3012, 75015 Paris, France. 

3. Virology Unit, Institut Pasteur du Cambodge, International Network of Pasteur Institutes, 12201 Phnom Penh, Cambodia. 

4. Immunology Group, Institut Pasteur du Cambodge, International Network of Pasteur Institutes, 12201 Phnom Penh, Cambodia. 

5. Epidemiology and Public Health Unit, Institut Pasteur du Cambodge, International Network of Pasteur Institutes, 12201 Phnom Penh, Cambodia. 

6. INRIA Saclay, 91120 Palaiseau, France. 

7. Département de Mathématiques d’Orsay, AQ2 91400 Orsay, France. 

8. GlaxoSmithKline (GSK) Vaccines, 637421 Singapore, Singapore.

 

Artigo Original: http://www2.cnrs.fr/presse/communique/5211.htm

voltar ao topo

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais