Menu

Há mais de 268.000 toneladas de plástico a boiar nos oceanos

Uma garrafa de plástico enterrada na areia da praia, que surge na maré baixa, pode servir como uma imagem simbólica do lixo esquecido nos oceanos. Mas não mostra a verdadeira dimensão deste problema ambiental. Uma equipa de investigadores serviu-se de centenas de medições nos oceanos e de um modelo de distribuição marinha do plástico, e calculou que existem 5,25 milhões de milhões de pedaços de plástico de diferentes dimensões a boiar na Terra. Segundo escreve O Público, ao todo, este lixo deverá pesar cerca de 288.940 toneladas, segundo um estudo publicado na quarta-feira na revista PLOS ONE.

Os plásticos acumulados nos oceanos têm várias consequências ambientais. Os peixes, os mamíferos e outros animais marinhos podem confundir os pedaços de plástico com alimentos e acabam sufocados ao tentarem comê-los. As redes de pesca podem prender e ameaçar a vida de mamíferos, aves e tartarugas, assim como de animais que vivem no leito do oceano.

Por outro lado, os plásticos que se vão acumulando no mar são uma fonte de substâncias químicas tóxicas que podem matar a fauna marinha. As substâncias que compõem o plástico acumulam-se ainda nos tecidos dos animais que os consomem e são assim transferidas na cadeia trófica, de predador em predador, até chegarem aos humanos.

Ler mais ...

Estações meteorológicas automáticas geridas pelo INAMET

O director do Centro Tecnológico Nacional (CTN), Gabriel Miguel, disse em Luanda que, em termos de investigação científica, Angola está a “melhorar a cada ano", tendo sublinhado, para isso, a importância do Centro da África Austral para Ciência e Serviços para Adaptação às Alterações Climáticas e Gestão Sustentável de Solos (SASSCAL).

Referiu que as estações meteorológicas instaladas no país  com o apoio do SASSCAL são geridas pelo Instituto  Meteorológico de Angola (INAMET).

Gabriel Luís Miguel afirmou que o Ministério da Ciência e Tecnologia tem criado mecanismos de coordenação que têm como objectivo fiscalizar e criar indicadores positivos no âmbito da ciência e da tecnologia de informação.

 

Investigação científica no âmbito do SASSCAL

Os membros do SASSCAL discutiram assuntos relacionados com a investigação científica, a funcionalidade e a questão financeira.

Segundo o director para Angola, Gabriel Miguel, a iniciativa representa um ganho na investigação de soluções relacionadas com os problemas das alterações climáticas e gestão dos solos.

Só para apontar um exemplo, a união de cerca de 150 instituições africanas em investigação científica já constitui um ganho, porque os investigadores estão unidos numa única plataforma", realçou.

Com sede na Namíbia, o SASSCAL possui um “nó nacional”. O “nó” de Angola funciona na província do Huambo e tem a Universidade José Eduardo dos Santos como agência executora.

Em Março de 2010, realizou-se em Lusaka, a reunião do comité interino para a criação do SASSCAL. Dois anos depois, em 2012, os Governos de Angola, Botswana, África do Sul, Namíbia e Zâmbia, assinaram, em Windhoek (Namibia), uma declaração conjunta para a implementação do Centro da África Austral para Ciências e Serviços para a Adaptação às Alterações Climáticas e Gestão Sustentável dos Solos. Com o objectivo de melhorar o impacto do ambiente e as alterações climáticas dos países inseridos nesta iniciativa.

 

Manuel Gomes, Jornal de Angola

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais