Menu

NASA Envia Esperma para a Estação Espacial Internacional para Descobrir se os Seres Humanos Podem Reproduzir-se no Espaço

Um grupo de cientistas da NASA (National Aeronautics and Space Administration) quer descobrir se a reprodução humana no espaço, em ambiente de gravidade zero, é possível. Assim sendo, a NASA enviou amostras de esperma humano para a Estação Espacial Internacional, na última viagem do foguete Falcon 9, para analisar o comportamento do esperma em contexto de microgravidade.

Pode parecer um pouco bizarro que a NASA esteja a enviar este tipo de material para o espaço, mas as questões relacionadas com a reprodução humana no espaço começam a ganhar cada vez mais pertinência, numa altura em que surge mais interesse em aumentar a presença da humanidade fora do planeta. À medida que as missões com humanos se tornem cada vez mais longas (e os planos para enviar humanos para o planeta vermelho implicam viagens de meses) e em que se multiplicam ideias de criar colónias permanentes em ambiente de gravidade zero, falar sobre sexualidade no espaço torna-se cada vez mais incontornável. Este estudo é pioneiro nessa área.

 

No que consiste a experiência?

A Missão Micro-11 (nome para esta experiência em particular) consiste em observar o comportamento de esperma humano, e de touro, e verificar se os espermatozóides se conseguem movimentar de forma livre e veloz para fertilizarem um óvulo dentro do espaço de microgravidade da Estação Espacial Internacional. Depois da experiência, os espermatozóides serão enviados para a Terra para serem analisados por equipas especializadas na área.

 

Outros estudos sobre sexualidade no espaço

Não é a primeira vez que o comportamento de esperma é estudado no espaço. Em 2017, a NASA fez experiências com esperma de rato e concluiu que o mesmo conseguiu sobreviver, congelado, durante uma viagem de nove (9) meses até à Estação Espacial Internacional, e conseguiu produzir ratos saudáveis quando voltou à Terra. Em 1998, também foi demonstrado que invertebrados aquáticos conseguem reproduzir-se no espaço, designadamente, caracóis e pulgas de água.

 

Futuras questões de investigação

Mesmo que se conclua que os espermatozóides humanos podem fertilizar o óvulo dentro do espaço de microgravidade, diversas questões ficarão por responder: como se pode viver a sexualidade no espaço? Poderá uma mulher dar à luz num contexto de microgravidade? Como ultrapassar os altos níveis de radiação? A falta de gravidade poderá afectar o desenvolvimento físico e cognitivo das crianças? A ciência lançou as bases, e a NASA pretende descobrir, finalmente, se teremos hipóteses em missões, a longo prazo, no espaço. 


Mais informação em: https://futurism.com/sperm-space-nasa/

voltar ao topo

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais