Menu

Como as Noites de Insónia Podem Comprometer a Nossa Saúde

O sistema imunológico tem fortes implicações em doenças importantes para a saúde pública, como é o caso das doenças inflamatórias, das doenças degenerativas, da obesidade, do câncer, entre outras. O sistema imunológico abriga uma infinidade de células que circulam por todo o corpo, tornando-o uma interface central que percebe, integra e responde a vários estímulos ambientais.

O sono é vital para uma boa saúde. Quando um indivíduo se encontra privado do sono, este não se sente bem.

Uma equipa do Laboratório Veiga-Fernandes, no Centro Champalimaud, em Lisboa, Portugal, descobriu que a função de um certo grupo de células imunitárias, conhecidas por contribuírem de forma muito significativa para a saúde intestinal, encontra-se sob o controlo directo do relógio circadiano do cérebro. O estudo foi publicado na revista Nature.

“A privação de sono, ou os maus hábitos de sono, podem ter efeitos graves sobre a saúde, provocando um leque de doenças que possuem frequentemente uma componente imunitária, tal como as inflamações intestinais”, diz Veiga-Fernandes, o investigador principal que liderou o estudo. “Para perceber porque é que isto acontece fizemos uma série de experiências em ratinhos, começando por perguntar se células imunitárias intestinais são influenciadas pelo relógio circadiano.” 

Os distúrbios do sono ligados ao relógio circadiano ocorrem quando o horário interno de dormir e acordar das pessoas não alinha com o ciclo dia-noite da Terra.

 

Grande relógio, pequenos relógios  

Quase todas as células do corpo possuem uma maquinaria genética interna que acompanha o ritmo circadiano através da expressão dos chamados “genes relógio”. Estes genes funcionam como pequenos relógios que indicam a hora do dia às células, ajudando assim os órgãos e os sistemas por elas compostos a antecipar o que vai acontecer, por exemplo, se são horas de comer ou de dormir.

Como cada um destes pequenos relógios é autónomo, eles precisam de ser sincronizados. “As células no interior do corpo não recebem informação directa acerca da luminosidade exterior, o que significa que alguns deles poderão não estar a ‘marcar’ a hora certa”, explica Veiga-Fernandes. “A tarefa do grande relógio do cérebro – que, esse sim, recebe informação directa da luz do dia – consiste, portanto, em sincronizar todos os pequenos relógios que existem dentro do corpo de forma a que todos os sistemas fiquem por sua vez sincronizados, o que é absolutamente crucial para o nosso bem-estar.”

Entre as diversas células imunitárias presentes no intestino, a equipa descobriu que as chamadas “células linfóides inatas de tipo 3” (ILC3 na sigla em inglês) eram particularmente sensíveis às perturbações dos seus genes relógio. “Estas células desempenham funções importantes no intestino: lutam contra as infecções, controlam a integridade da parede intestinal e regulam a absorção de lípidos”, explica Veiga-Fernandes. “Ora, quando perturbámos os seus relógios, constatámos que o número de ILC3 no intestino diminuía de forma significativa, o que conduzia a inflamações severas, falhas da barreira intestinal e à acumulação acrescida de gordura.”

Estes resultados levaram a equipa a perguntar-se por que o relógio circadiano do cérebro tinha um efeito tão marcado sobre o número de ILC3 no intestino.

Quando os cientistas analisaram a forma como a perturbação do relógio circadiano cerebral influía sobre a expressão de diversos genes das ILC3, descobriram que desencadeava um problema muito específico: o “código postal” molecular destas células desaparecia! Acontece que, de forma a se localizarem no intestino, as ILC3 precisam de expressar uma proteína na sua membrana que funciona como um código postal molecular. Este marcador diz às ILC3, que só residem no intestino de forma transitória, para onde devem migrar. Na ausência dos sinais vindos do relógio circadiano do cérebro, as ILC3 deixam de expressar este marcador, o que significa que se tornam incapazes de chegar ao seu destino.

Segundo Veiga-Fernandes, estes resultados são muito entusiasmantes porque permitem esclarecer por que é que a saúde intestinal fica afectadanas pessoas que permanecem regularmente activas durante a noite. “Este mecanismo é um belíssimo exemplo de adaptação evolutiva”, diz o investigador. “Durante o período activo do dia, que corresponde aos momentos em que nos alimentamos, o relógio circadiano do cérebro reduz a actividade das ILC3 de forma a promover um metabolismo saudável dos lípidos. Mas ao mesmo tempo, o intestino pode ficar danificado durante as refeições. Por isso, uma vez terminado o período de alimentação, o relógio circadiano do cérebro diz às ILC3 para voltarem ao intestino, onde são agora necessárias para lutar contra eventuais invasores e promover a regeneração do epitélio (parede) intestinal.”

“Não é, portanto, surpreendenteque as pessoas que trabalham à noite sejam susceptíveis de sofrer perturbações inflamatórias do intestino. Tem tudo a ver com o facto de este eixo neuro-imunitário específico estar tão bem regulado pelo relógio do cérebro que qualquer mudança nos nossos hábitos surte efeitos imediatos nestas importantes células primordiais.”,prossegue Veiga-Fernandes.

Este estudo vem juntar-se a uma série de descobertas fundamentais, realizadas por Veiga-Fernandes e a sua equipa, que estabelecem novas relações entre os sistemas imunitário e nervoso. “A noção de que o sistema nervoso é capaz de coordenar a função do sistema imunitário é totalmente nova. Tem sido um percurso muito inspirador; quanto mais aprendemos acerca desta relação, melhor percebemos o quão importante ela é para o nosso bem-estar. Aguardamos agora pelo que iremos descobrir a seguir”, conclui. 

 

Autores: Cristina Godinho-Silva, Rita G. Domingues, Miguel Rendas, Bruno Raposo, Hélder Ribeiro, Joaquim Alves da Silva, Ana Vieira, Rui M. Costa, Nuno L. Barbosa-Morais, Tânia Carvalho, Henrique Veiga-Fernandes. (2019). Light-entrained and brain-tuned circadian circuits regulate ILC3 and gut homeostasis. Nature. DOI: 10.1038/s41586-019-1579-3

 

Fonte: ciência.ao com AR Magazine.

Ler mais ...

Um PhD para Melhorar a Sociedade, não para Perseguir Elogios Académicos

Quando se olha para as estatísticas, é difícil não concluir que o actual sistema de doutoramento está fundamentalmente fragmentado. Questões de saúde mental são comuns: aproximadamente um terço dos estudantes de doutoramento correm o risco de ter ou desenvolver um distúrbio psiquiátrico como a depressão. O alto nível de abandono é igualmente preocupante – e possivelmente outro sintoma do mesmo problema. Estudos sugerem que, em média, 50% dos estudantes de doutoramento deixam a pós-graduação sem a terminar – com números mais altos em algumas instituições.

Além disso, os aspirantes a cientistas que conseguem terminar, geralmente levam muito mais tempo do que o planeado inicialmente. Por exemplo, um doutoramento na Alemanha deve ser feito em três anos, de acordo com os regulamentos da universidade, mas a maioria dos estudantes precisa de cinco anos para o concluir. Enquanto isso, nos EUA, o tempo médio de conclusão de um doutoramento em ciências da educação ultrapassa os 13 anos. O resultado é que, na maioria dos países, os estudantes de doutoramento, geralmente, não se formam até os 30 anos.

Embora 80% dos estudantes de ciências iniciem o seu doutoramento com a intenção de seguir uma carreira em ciências, o seu entusiasmo geralmente diminui a tal ponto que apenas 55% planeia continuar na academia quando se aproximar da graduação. De qualquer forma, é improvável que a maioria consiga continuar. Um estudo descobriu que, para cada 200 pessoas que concluem um doutoramento, apenas sete terão um cargo académico permanente e apenas um se tornará professor.

Muitos académicos entram na ciência para mudar o mundo para melhor. No entanto, muitas vezes, parece que a academia contemporânea é mais para buscar citações. A maioria dos trabalhos académicos é partilhada apenas com uma comunidade científica específica, em vez de formuladores de políticas ou empresas, o que o torna totalmente desconectado da prática.

Veja o meu exemplo. Investigo sobre como mitigar o impacto social das barragens hidroeléctricas. Até agora, o meu artigo principal sobre este tópico foi citado três vezes. Nas directrizes de promoções da minha universidade,li que se eu quiser ser promovido de professor assistente para professor associado, preciso acumular citações significativas. Como resultado, publiquei agora um artigo no qual revisei 114 definições de um termo académico actual, economia circular, para propor a 115ª definição desse termo.

Em termos académicos, este artigo é um sucesso: foi citado 39 vezes desde a sua publicação. O artigo está entre os principais nos resultados de pesquisa já rastreados pelo Altmetric, uma ferramenta que mede a influência de um artigo entre os académicos nos media. Pessoas com as quais nunca tive uma conversa, procuram-me em conferências para me felicitar. Mas não estou a comemorar: este artigo simboliza tudo o que está fragmentado na academia. Os académicos adoram definições, não soluções.

Eu gostaria que a academia incentivasse os estudiosos a melhorar a sociedade, não a perseguir citações. Quero que reimaginemos um doutoramento que seja projectado para não ganhar elogios na comunidade académica, mas que tenha como objectivo descobrir algo novo que será útil para os profissionais e tenha um impacto social real.

Nesse novo sistema de doutoramento, desde o primeiro dia da sua caminhada investigativa, os estudantes entrariam em campo conversando com os profissionais, em vez de passar o primeiro ano (ou mais) lendo literatura académica obscura.

Os alunos então co-criariam o conteúdo das suas teses com o seu tutor/orientador, bem como com os profissionais da sua área de investigação.

Em vez de trabalhar em cada frase de uma dissertação de 100 mil palavras trancado entre quatro paredes, os estudantes de doutoramento partilhariam um esboço conciso de 2000 palavras com esses profissionais, com vista a obter um feedback direccionado. Eles terminariam o doutoramento quando fizessem a diferença no mundo real.

É hora de interromper o actual sistema de doutoramento para o tornar melhor para os investigadores em início de carreira. Precisamos de nos afastar de uma cultura auto-referencial na qual os académicos conversam apenas com seus pares. Confúcio disse que um dos princípios fundamentais da academia deveria ser: "A essência do conhecimento é tê-lo e aplicá-lo". Lembrar-se disto pode ajudar a consertar a máquina de doutoramento fragmentada.

 

Autor: Julian Kirchherr é o autor do livro "The Lean PhD": Melhore radicalmente a eficiência, a qualidade e o impacto da sua pesquisa '. Ele é professor e investigador da Universidade de Utrecht, na Holanda.

 

Texto original em inglês, aqui.

Ler mais ...
Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais