Menu

Virologia e Biologia Molecular Destaque

Imagem de microscópio eletrónico de transmissão mostrando o SARS-CoV-21

 

Pedro Magalhães1, Madalena Chimpolo2, Daniel Pires Capingana3 

1Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto

2Departamento de Morfologia da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto

3Instituto Superior de Ciências de Saúde do Cuando Cubango

Duma forma geral os coronavírus são partículas sob a forma de envelope de 120 a 160 nanômetros (nm), que contêm um genoma em fita simples, não segmentado de sentido positivo de RNA (27–32 kb), sendo o maior genoma entre os vírus RNA. Os genomas são poliadenilados na extremidade 3’. O RNA isolado é infeccioso. O seu nucleocapsídeo helicoidal tem um diâmetro de 9-11 nm. Na superfície do envelope, os vírus possuem projecções amplamente espaçadas, em forma de taco ou pétala, com 20 nm de comprimento, parecendo uma coroa solar (Jawetz Melnick & Adelberg’s, 2016; p. 601).

As proteínas estruturais virais incluem uma proteína nucleocapsíde fosforilada (N), de 50 a 60 kDa (N), uma glicoproteína de 20–35 kDa (M) que serve como proteína da membrana incorporada na bicamada lipídica do envelope e interagindo com o nucleocápside, e a glicoproteína espiga (S; 180-220 kDa) que compõe os peplomeros em forma de pétala. Alguns vírus, incluindo os coronavírus humanos OC43 (HCoV-OC43), contêm uma terceira glicoproteína (HE; 65 kDa) que causa hemaglutinação e possui actividade acetilesterase (Jawetz Melnick & Adelberg’s, 2016; p. 601).

Estrutura do SARS-CoV-22

A ordem dos genes para a codificação de proteínas por todos os coronavírus é Pol-S-E-M-N-3’. Vários pontos abertos de leitura que codificam as proteínas não estruturais e as proteínas HE diferem em número e ordem genética entre os coronavírus. O vírus da SARS, por exemplo, contém um número relativamente grande de genes intercalados para proteínas não estruturais na extremidade 3’ do genoma (Jawetz Melnick & Adelberg’s, 2016; p. 601).

 

REPLICAÇÃO DOS VÍRUS

Como se sabe, os vírus são parasitas intracelulares obrigatórios. Isso significa que não podem viver fora das células hospedeiras. Para a sua replicação, o vírus liga-se aos receptores nas células-alvo através da glicoproteína do envelope viral (S ou HE). O receptor para o coronavírus humano 229E é a aminopeptidase N, enquanto que o receptor funcional para a doença respiratória aguda grave causada por coronavirus (SARS-CoV) é a enzima conversora da angiotensina II (ACE2). O receptor para MERS-CoV é a dipeptil peptidase 4, também conhecida como CD26 (Jawetz Melnick & Adelberg’s, 2016; p. 601).

A glicoproteína S causa a fusão do envelope viral com membrana da célula hospedeira para depois se replicar dentro das células infectadas. Essa fusão ocorre em presença de um pH maior ou igual a 6,5.

Deve-se realçar as duas características do coronavirus que são importantes do ponto de vista epidemiológico e clínico, que são (Jawetz Melnick & Adelberg’s, 2016; p. 601): (a) uma elevada frequência de mutação durante cada ciclo de replicação incluindo a geração de um alta incidência de mutações por delecção; (b) alta frequência de recombinação durante a replicação (isto é incomum para um vírus RNA com um genoma não segmentado e pode contribuir para a evolução de novas estirpes de vírus). Essa última característica pode estar na base do surgimento do novo coronavirus responsável pela actual pandemia de COVID-19. Por outro lado, chama atenção para que não seja descurada a possibilidade de novos surtos no futuro se não forem controlados os factores deflagrantes de surtos por vírus desta espécie, a partir de qualquer parte do mundo.

No caso particular, a pandemia COVID-19 é causada por um coronavirus que sofreu mutação antigénica. Por essa razão é novo para a espécie humana, e, deste modo, não existe ainda nenhum tipo de imunidade contra esse vírus, o que justifica a sua rápida disseminação ao ponto de tornar-se uma pandemia.

  

DIAGNÓSTICO

Critérios para o diagnóstico

O diagnóstico da COVID-19 baseia-se nos critérios clínico-epidemiológico e laboratorial mediante a realização de uma reacção em cadeia de polimerase com transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR) (Sohrabi et al., 2020).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), define-se caso suspeito de COVID-19 em qualquer uma das seguintes situações (WHO, 2020):

  • O paciente com febre que apresentar pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, adejo nasal, dentre outros) ou histórico de viagem ou residência para área com transmissão local da doença conhecida nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;
  • O paciente com febre que apresente pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, adejo nasal, dentre outros) ou histórico de contacto próximo com caso confirmado ou provável COVID-19, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;
  • O paciente que se apresente com um quadro de doença respiratória aguda grave (febre e pelo menos um dos sintomas e sinais de doença respiratória, ex: tosse, dificuldade para respirar, adejo nasal) e necessidade de internamento hospitalar e ausência de diagnóstico alternativo que justifique o quadro clínico do paciente.

São elegíveis para realizar o teste laboratorial para a COVID-19 todos os pacientes que se enquadram nos três grupos acima mencionados, isto é, (a) indivíduos sintomáticos ou assintomáticos que tenham estado em locais com infecção comunitária, (b) indivíduos que tenham tido contacto com pessoa suspeita ou com doente de COVID-19, (c) indivíduos que se apresentem com um quadro de doença respiratória aguda grave sem causa aparente.

Por outro lado, devem ser elegíveis para o teste, os casos prováveis, isto é, os casos suspeitos cujo resultado de teste laboratorial para o COVID-19 tenha sido inconclusivo ou os casos suspeitos que por alguma razão não tenham sido submetidos ao teste laboratorial para o COVID-19.

Contudo, sugere-se que cada país deva definir as situações que devem ser sujeitas a testes laboratoriais, em função da intensidade da transmissão, do número de casos e da capacidade laboratorial. Neste sentido recomenda-se que a prioridade para a realização dos testes devam ser os casos suspeitos de COVID-19.

O diagnóstico definitivo de infecção pelo SARS-CoV-2 é estabelecido com base no resultado conclusivo positivo em RT-PCR, independentemente dos sinais e sintomas (Sohrabi et al., 2020).

1- https://thebiologist.rsb.org.uk/biologist/158-biologist/features/2309-focus-on-cov-sars-2
2- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK554776/figure/article-52171.image.f3/

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Jawetz, Melnick, & Adelberg’s. Medical Microbiology. McGraw-Hill Education (2016). 27th Edition. P 602-605.

World Health Organization (2020). Global surveillance for COVID-19 caused by human infection with COVID-19 virus: interim guidance https://www.who.int/publications-detail/global-surveillance-for-human-infection-with-novel-coronavirus-(2019-ncov).

Sohrabi C, Alsafi Z, O'Neill N, Khan M, Kerwan A, Al-Jabir A, Iosifidis C, Agha R. World Health Organization declares global emergency: A review of the 2019 novel coronavirus (COVID-19). International Journal of Surgery. 2020; 76: 71–76 https://doi.org/10.1016/j.ijsu.2020.02.034

 

 

 

 

Modificado emsegunda-feira, 25 maio 2020 22:03
Mais nesta categoria: Epidemiologia e Fisiopatologia »
voltar ao topo

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais