Menu
Portal Ciencia.ao

Portal Ciencia.ao

Curso Online de Escrita Científica para Investigadores dos PALOP - Candidaturas até 18 de Novembro de 2020

Estão abertas até o dia 18 de Novembro de 2020, as candidaturas para curso online de escrita científica para investigadores dos PALOP, com objetivo reforçar as competências dos investigadores da área da saúde destes países para a escrita de artigos e de protocolos científicos englobando sessões teóricas, estudos de caso e sessões de coaching individuais. 

O curso, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, decorrerá nos dias  27 e 30 de Novembro e 3 de Dezembro do ano corrente, e destina-se a docentes, investigadores do ensino superior e de centros de investigação e a estudantes de doutoramento dos PALOP. O curso será leccionado em português, com recurso a materiais e exercícios em inglês, e terá a coordenação das investigadoras Inês Crisóstomo, Marta Agostinho e Marta Nunes.

Para mais informações sobre como inscrever-se, aceda ao link: https://gulbenkian.pt/noticias/curso-online-de-escrita-cientifica-para-investigadores-dos-palop/

Conselho de Pesquisa Europeu (ERC) e Delegação da União Europeia realizam dois Webinar de 10 a 11 de Novembro - Participe!!!

O Conselho de Pesquisa Europeu (ERC) em colaboração com a Delegação da União Europeia para a União Africana, realizam de 10 a 11 de Novembro de 2020, dois (2) Webinars ERC (um em inglês e outro em francês), para investigadores africanos interessados em candidatar-se a um Bolsa ERC.

O Presidente do ERC, Jean-Pierre Bourguignon, seus beneficiários e avaliadores fornecerão informações sobre oportunidades de financiamento e alguns conselhos úteis sobre como se inscrever para aquisição de uma bolsa do ERC. Ambos os webinars incluirão uma sessão de perguntas e respostas para melhor interacção entre os participantes e os oradores.

Para aceder aos webinars, clique no seguinte link: https://erc.europa.eu/event/european-research-council-webinars-researchers-africa-erc-grant-schemes-grantees-experiences

 

O SARS-COV-2 e os Ambientes de Risco: Síntese de Evidências

António de Alcochete1 e Emanuel Catumbela2

1Departamento de Biologia da Faculdade de Ciências – Universidade Agostinho Neto, Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.(ORCID 0000-0002-7805-0193);
2 Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina – Universidade Agostinho Neto, Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. (ORCID 0000-0002-3289-2643)

 

Introdução

A COVID-19 é uma doença causada pelo vírus SARS-CoV-2 que apresenta um grande espectro de dispersão geográfica. Segundo a organização Mundial da Saúde, até 25 de Julho de 2020, haviam 15.581.009 casos confirmados, dos quais 653.173 mortes, registados nas Américas, Europa, Sudoeste da Ásia, Mediterrâneo oriental, Africa e na região do Pacífico Ocidental. Estas regiões reflectem grande variação de parâmetros climáticos e atmosféricos aos quais o SARS-CoV-2 tem sobrevivido com facilidade e manifestado a sua grande capacidade infecciosa, no Homem (https://www.worldometers.info/coronavirus/).

A forma, rapidez e facilidade com que o vírus se propaga leva a pensar que o ambiente tem um papel importante. Decerto que a contaminação de várias superfícies, o tempo de sobrevivência e a capacidade infecciosa do vírus são questões relevantes para as estratégias de prevenção contra a COVID-19 e, portanto, necessárias conhecer sobretudo, dentro de infra-estruturas que albergam muitas pessoas e em locais onde as condições sanitárias e de saúde pública são precárias.

Assim, este artigo tem como objectivo sintetizar evidência do comportamento ambiental do SARS-CoV-2 e levar ao conhecimento da sociedade os potenciais ambientes de risco.

 

Os ambientes de potencial contaminação da COVID-19

Vários são os ambientes em que ocorre a contaminação da COVID-19, sendo que a presença do vírus SARS-CoV-2 tem sido detectada em superfícies sólidas, líquidas e no ar (Casanova et al., 2009; Carraturoet al., 2020; Chenet al., 2020; Chin et al., 2020; Chu et al., 2005; Collivignarelliet al., 2020;  Duet al., 2020; Foladoriet al., 2020; Guet al., 2020; Huang et al., 2020;Jayaweeraet al., 2020; OMS, 2020); Onget al., 2020; Parket al., 2020; Peng et al. 2019; Rahmaniet al., 2020; Razziniet al., 2020;Tianet al., 2020; Y. Wu et al., 2020; Xiaoet al., 2020 eZhanget al., 2020;), incluindo alguma suspeição da sua presença nos alimentos (Bondad-Reantasoet al., 2020; Ceylanet al., 2020; Jefferson andHeneghan, 2020).

O ar como ambiente de contaminação da COVID-19

O vírus SARS-Cov-2 é uma partícula do tamanho que varia entre 0.004 a 1.0 µm, porém, no ambiente, encontra-se comumente associado a outras partículas complexas, de maior tamanho, agregadas a água, sal e proteínas (Dietzet al., 2020).

A forma mais comum de transmissão do vírus tem sido o ar de ambientes contaminados por pessoas infectadas, assintomáticas ou sintomáticas, principalmente os quartos de hospitais ou centros de quarentena, residências, escritórios, refeitórios, bares restaurantes, mercados, padarias, transportes, privados ou públicos, salas de convívio, salas de aulas ou creches. Nesses locais, o ar contaminado por tosse ou espirros, contém partículas com o vírus que são absorvidas por pessoas não doentes. A absorção das partículas pode ser directa, por contacto entre pessoas, ou indirecta, por contacto com superfícies no ambiente imediato ou com objectos usados pela pessoa infectada (Carraturoet al., 2020;Jayaweeraet al., 2020; OMS, 2020)(Figura 1).

 


Figura 1 – Exemplos de potenciaislocais de risco de contaminação da COVID-19, se nãoforemobservadasmedidas de biossegurança (Fonte: Buonnannoet al., 2020).

Jayaweeraet al., (2020) fizeram uma revisão bibliográfica sobre a transmissão de gotículas de vírus e aerossóis em diferentes contextos ambientais bem como sobre o comportamento de gotículas e aerossóis resultantes de uma pessoa infectada em vários espaços confinados, tendo concluído que a transmissão aérea desempenha um papel crítico na infecção de pessoas confinadas e que, nos hospitais ou centros de saúde, pode ocorrer a transmissão por aerossóis transportando o SARS-CoV-2. Segundo a OMS (2020), a transmissão do vírus via gotículas ocorre quando uma pessoa está em contacto próximo (entre um metro de distância) com alguém com problemas respiratórios (tosse e espirros) próximo, e portanto, corre o risco ter a sua boca, nariz ou os olhos expostos à essas gotículas (>5-10 µm de diâmetro), potencialmente infecciosas. A transmissão área do vírus refere-se a transmissão de gotículas, com menos de 5 µm de diâmetro, contendo vírus nos seus núcleos e que resultam da evaporação de gotículas maiores ou de partículas de poeira, podendo permanecer no ar até 4,5 horas e ser transmitidas a distâncias superiores a um metro.

Esse modo de transmissão foi estudado em 2005 por Chu et al.que entre outros achados observaram a presença do vírus SARS na nasofaringe de pacientes de um complexo residencial de Hong Kong, bem como a presença do vírus, num nível inferior, em pessoas das redondezas do complexo (Chu et al.), sugerindo as partículas de aerossóis como principal meio de transmissão em que os espirros, os aerossóis, os fómites e roedores contaminados exerceram um papel importante na transmissão. Num outro estudo, Rahmaniet al. (2020) revelaram, via PCR, a presença do SARS-CoV-2 em amostras de ar colectadas em quartos de pacientes em hospitais, cuja potencial transmissão resulta de factores como a distância do paciente, o uso da máscara de protecção ou oxigénio dos pacientes, actividades do paciente, tosse e espirros durante a amostragem, movimento do ar, condicionamento do ar, tipo de amostrador, condições de amostragem e condições de armazenamento e transferência.

Em ambientes abertos, as condições meteorológicas e a poluição do ar impactam na transmissão do SARS-Cov-2, tendo sido confirmado por Zhanget al. (2020), uma relação não linear dose-resposta entre a temperatura e a transmissão do coronavírus e uma correlação positiva entre os indicadores de poluição do ar e os novos casos.

 

As águas como ambiente de contaminação da COVID-19

A água de consumo humano, quando contaminada, constitui um dos principais meios de transmissão de doenças no homem, pelo que o seu potencial na transmissão do SARS-CoV-2 tem sido estudado. A análise de amostras de águas, potável e de esgoto, têm indicado a presença do SARS-CoV-2, pelo que a águas contaminadas podem constituir-se em veículos para a exposição humana.

Carraturoet al. (2009) verificaram que os coronavírus permanecem na água potável e nas águas de esgoto durante semanas, sugerindo as águas contaminadas como potencial veículo para a exposição humana, em caso de produção de aerossóis. Por seu lado, Collivignarelliet al. (2020) detectaram a presença do SARS-CoV-2 em águas residuais e esgotos sugerindo um grande potencial de excreção do vírus via fezes e urina de doentes infectados. Os mesmos resultados foram achados por Chenet al., (2020) Guet al., (2020) Huang et al., (2020) Tianet al., (2020) Y. Wu et al., (2020) e Xiaoet al., (2020).

O consumo de água potável tem sido uma das grandes preocupações em países onde o acesso ao precioso líquido ainda não é uma realidade. O tratamento da água, alteração do pH pela adição de cloro ou filtração com carbono activado até aos níveis de qualidade para o consumo humano parece eliminar o SARS-CoV-2. Por outro lado, as águas residuais e os canais de transporte de água para irrigação ou pequenos córregos, que atravessam aglomerados populacionais e, servem indevidamente para depósito de lixo e descarte de águas residuais de várias fontes, tornam-se, por isso, um potencial meio de contaminação do SARS-CoV-2.

 

As superfícies sólidas como ambiente de contaminação da COVID-19

A par da contaminação pelo ar, as contaminações por contacto com superfícies sólidas constituem os principais meios de infecção pelo vírus SARS-Cov-2. Razziniet al. (2020) estudaram a transmissão do vírus SRAS-Cov-2 em infra-estruturas de saúde em Milão, Itália, e concluíram que amostras de zaragatoas e dispensadores de desinfectantes para as mãos, equipamentos médicos, telas de toque de equipamentos, grades de cama e maçanetas estavam contaminadas, sugerindo a necessidade de desinfecção intensa, higienização das mãos e medidas de biossegurança para os profissionais de saúde nos hospitais, centros de saúde ou locais de quarentena institucional. Onget al. (2020), num estudo sobre a contaminação do ar, superfícies e equipamento de protecção pelo SARS-Cov-2, a partir de pacientes sintomáticos, também revelaram uma extensiva contaminação ambiental fundamentada na presença do vírus em amostras de espirros, de vasos sanitários e de lavatórios.

Chin et al. (2020), num estudo sobre a estabilidade do SARS-CoV-2 à temperatura e superfícies, concluíram que os vírus, em condições in vitro, são estáveis a 4ºC e tornam-se instáveis a medida que a temperatura aumenta, atingindo a inactivação à temperatura de 70ºC, num tempo de 5 minutos. À temperatura ambiente de 22ºC e humidade relativa de 65%, não detectaram vírus infeccioso em madeira e vestuário tratado, mas verificam uma certa estabilidade do vírus em superfícies lisas (vidro, notas, aço inoxidável e plástico). Entretanto, o vírus infeccioso foi detectável na camada externa das máscaras cirúrgicas.

Por seu lado, Onget al. (2020) revelaram uma extensiva contaminação ambiental fundamentada na presença do vírus em amostras de espirros, de vasos sanitários e de lavatórios, num estudo sobre a contaminação do ar, superfícies e equipamento de protecção pelo SARS-CoV-2, a partir de pacientes sintomáticos.

As superfícies de contacto directo ou indirecto, em ambientes fechados ou abertos, imediato ou durante o tempo de sobrevivência do vírus em superfícies contaminadas por pessoas infectadas com o SARS-CoV-2 são potenciais meios de transmissão do vírus entre humanos, sendo por isso imperioso o cumprimento das medidas de biossegurança estabelecidas pelas autoridades(Figura 2).


Figura2 - Conceptualização da deposição SARS-CoV-2. (a) Uma vez que um indivíduotenhasidoinfectado com SARS-CoV-2, partículasvirais se acumulamnospulmões e no tratorespiratório superior. (b) Gotículas e partículasviraisna forma de aerossóissãoexpelidas do corpopormeio de atividadesdiárias, comotosse, espirros e conversas, e eventosnãorotineiros, comovómitos, e podem se espalhar para ambientes e indivíduospróximos. (c e d) Partículasvirais, excretadas pela boca e nariz, sãofreqüentementeencontradasnasmãos (c) e podemserespalhadas para objectoscomumentetocados (d), comocomputadores, vidros, torneiras e bancadas. (Fonte: Dietzet al., 2020).

 

O sangue e as excreções humanas como contaminantes da COVID-19

O sangue, sendo o fluído corporal que percorre o sistema circulatório, podendo transportar o SARS-CoV-2, além de distribuir os nutrientes e oxigénio às células, transporta as excreções metabólicas para a sua eliminação do organismos. Assim, tem sido usado como o principal meio de testagem e exames epidemiológicos em muitas doenças, complementado com análises de urina e fezes.

Peng et al. (2019) detectaram a presença do vírus SARS-CoV-2 em amostras de urina, sangue e em zaragatoas anais e orofaríngeas. Esta é uma das poucas e raras referências relatando a presença do vírus em amostras de urina.

Chen et al. (2020),Collivignarelliet al.(2020),Guet al. (2020), Huang et al. (2020),Tianet al. (2020), Y. Wu et al. (2020),Xiaoet al. (2020) e Panet al (2020) ao analisarem, via RT-PCR, amostras diárias de esfregaço na garganta, escarro, urina e fezes obtidas de dois pacientes hospitalizados, verificaram que as cargas virais nas amostras de zaragatoa e escarro variaram entre 104 a 107 cópias por mL, durante o período de análise (5-6 dias após a manifestação dos sintomas) e nenhum RNA viral nas amostras de urina e fezes.

Foladoriet al. (2020) detectaram a presença do SARS-CoV-2 em fezes de pacientes infectados, levantando questões sobre o tratamento dos esgotos. Os autores consideraram a decrescente viabilidade do vírus devido a acção da temperatura, do pH, dos sólidos, dos micropoluentes, radicais livres de cloro e luz ultravioleta nas ETAR. Entretanto, em presença de condições sanitárias precárias, pode dificultar a adopção de estratégias de prevenção e combate ao vírus.

Parket al. (2020) investigaram a presença do SARS-CoV-2 em amostras gastro-intestinais de pacientes infectados assintomáticos ou sintomas leves, na Coreia, tendo concluído que o tracto gastro-intestinal pode ser uma via da transmissão do vírus e que, nesses pacientes, a quantidade de vírus de amostras respiratórias parecem similares a quantidade presente nas amostras de fezes. A maior persistência do vírus no tracto gastro-intestinal em relação ao tracto respiratório foi confirmada por Duet al. (2020) ao estudarem amostras fecais de crianças, no Hospital Jinam de Doenças Infecciosas, com recurso à RT-PCR.

Apesar da OMS (2020) reportar o contrário, parece existir suficiente evidências da presença do vírus SARS-CoV-2 em excreções humanas, como fezes e urina. Em países com o sistema sanitário débil, em que grande parte da população defeca e urina à céu-aberto, o SARS-CoV-2 pode ficar disponível no ar ou contaminar outros ambientes, constituindo assim um risco de transmissão do vírus para o homem.

 

Os alimentos como contaminantes da COVID-19

Na procura de alimentos, a população desloca-se aos bares, restaurantes, mini- e super-mercados, praças (mercados abertos) etc., criando um grande potencial de infecção, directa ou indirecta, pelo SARS-CoV-2. Por outro lado, a falta de higiene no manuseamento dos alimentos constitui um risco adicional de infecção pelo vírus.

Ceylanet al. (2020) ao estudar a relevância do SARS-CoV-2 na segurança e higiene alimentar, concluíram que pouca atenção tem sido dada a segurança alimentar e sua ligação potencial com a COVID-19, já que o vírus pode ser transmitido das pessoas para os alimentos. Estes autores sugerem o consumo de alimentos fervidos ou enlatados processados a altas temperaturas, a higienização de enlatados, bem como evitar a comercialização e consumo de alimentos exóticos. Adicionalmente, os autores sugerem uma revisão das práticas convencionais na indústria alimentar.

Por outro lado, Bondad-Reantasoet al. (2020) concluíram não haver evidências da infecção de animais aquáticos (por exemplo, peixes, crustáceos, moluscos, anfíbios) pelo SARS-CoV-2 e, portanto, esses animais não desempenham um significante papel epidemiológico na COVID-19, sendo que a potencial contaminação resulta da acção de pessoas infectadas pelo vírus.

Entretanto, os autores recomendam o manuseio e saneamento adequado dos alimentos que constituem os meios de subsistência, segurança e nutrição para populações do litoral. Jefferson eHeneghan (2020) sugerem que os riscos de contaminação dos alimentos ou seu empacotamento estão ligados aos trabalhadores infectados, pelo que medidas de biossegurança devem ser rigorosamente implementadas.

Neste texto foi feita a apresentação de evidências sobre o SARS-CoV-2 e o ambiente, com o intento de influenciar a mudança de comportamento da sociedade através da identificação de ambientes de risco referenciadas na bibliografia consultada. Parecem não haver dúvidas sobre a presença do SARS-CoV-2 no ar, sobretudo nos locais de confinamento de doentes e de pessoas infectadas assintomáticas, tão alto é o nível de biossegurança imposto pelas autoridades sanitárias mundiais e nacionais. A obrigação de equipamento de biossegurança nos hospitais e locais de quarentena e o uso de máscaras, bem como o distanciamento de mais de um metro nos locais públicos reforça esta constatação.

As mudanças a serem feitas pelos decisores, assim como pelas pessoas de forma individual podem ser resumidas no seguinte: (1) em ambientes fechados, é preciso considerar a possibilidade da circulação do ar, com a abertura das janelas, a entrada dos raios solares para esterilização natural do ambiente. Onde possível, devem-se usar filtros de ar com o valor mínimo de relatório de eficiência (MERV) de oito ou acima, capazes de reter partículas do tamanho de 0,3 a 10,0 µm; (2) considerar a limpeza dos móveis usando álcool entre 60 e 75% capaz de aniquilar as partículas víricas que podem existir sobre as superfícies dos objectos. Estabelecer um plano de limpeza que privilegie os ambientes onde há mais pessoas, os locais com maior possibilidade de infecciosidade como maçaneta das portas, botões de elevadores, corrimão das escadas, etc.; (3) embora não se tenha evidência de infecção obtida pelo ambiente, não podemos descurar o distanciamento físico, o uso de máscaras em ambientes fechados com mais que uma pessoa. Há que reorganizar os espaços abertos de trabalho para evitar que pessoas possam ser factor de transmissão do SARS-CoV-2, auxiliado por um ambiente húmido, fresco e pouco arejado (Figura 3).

 



Figura 3 – Risco de contaminação por transmissão aérea de coronavirus, em partículas de aerossóis, em ambientes públicos e medidas de biossegurança recomendados (Fonte:Tanget al., 2020)

 

Em conclusão, o SARS-CoV-2 permanece viável no ambientee sobre as superfícies feitas de diferentes materiais entre horas e dias. A implementação de medidas específicas e dirigidas podem auxiliar a controlar a pandemia da COVID-19 que o mundo atravessa. Porém, há que reorganizar a vida dentro dos ambientes fechados, respeitar o distanciamento físico, manter a limpeza sistemática dos espaços mais movimentados com produtos que podem inactivar as partículas virais que eventualmente, possam permanecer no ar ou nas superfícies, fruto de tosse, espirro ou mesmo perdigotos de pessoas infectadas que estejam ou tenham estado no ambiente.

 

Referências bibliográficas

  • Bondad-Reantaso, Melba G.; Mackinnon, Brett; Bin, Hao; Jie, Huang; Tang-Nelson, Kathy; Surachetpong, Win; Alday-Sanz, Victoria; Salman, Mo; Brun, Edgar; Karunasagar, Iddya; Hanson, Larry; Sumption, Keith; Barange, Manuel; Lovatelli, Alessandro; Sunarto, Agus; Fejzic, Nihad; Subasinghe, Rohana; Mathiesen, Árni M. and Shariff, Mohamed. Viewpoint: SARS-CoV-2 (The Cause of COVID-19 in Humans) is not known to infect aquatic food animals nor contaminate their products. AsianFisheriesScience 33 (2020):74–78.https://doi.org/10.33997/j.afs.2020.33.1.009;
  • Carraturo, Federica; Del Giudice, Carmela; Morelli, Michela; Cerullo, Valeria; Libralato, Giovanni; Galdiero, EmiliaandGuida, Marco. Persistence of SARS-CoV-2 in the environment and COVID-19 transmission risk from environmental matrices and surfaces.Environmental Pollution. Volume 265, Part B, October 2020, 115010. https://doi.org/10.1016/j.envpol.2020.115010;
  • Casanova, Lisa; Rutala,William A.; Weber, David J. and Sobsey, Mark D. Survival of surrogate coronaviruses in water.Water Research. Volume 43, Issue 7, April 2009, Pages 1893-1898. https://doi.org/10.1016/j.watres.2009.02.002;
  • Ceylan, Zafer; Meral, Raciye and Cetinkaya, Turgay. Relevance of SARS-CoV-2 in food safety and food hygiene: potential preventive measures, suggestions and nanotechnological approaches. Virusdisease, 31(2): 154–160. 2020 Jun; doi: 10.1007/s13337-020-00611-0
  • Chen, N., Zhou, M., Dong, X., Qu, J., Gong, F., Han, Y., Qiu, Y., Wang, J., Liu, Y., Wei, Y., Xia, J., Yu, T., Zhang, X., Zhang, L., 2020. Epidemiological and clinical characteristics of 99 cases of novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study. Lancet 395, 507–513.https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30211-7
  • Chin, Alex W H; Chu, Julie T S; Perera, Mahen R A; Hui, Kenrie P Y; Yen, Hui-Ling; Chan, Michael C W; Peiris, Malik and Poon, Leo L M. Stability of SARS-CoV-2 in different environmental conditions. The Lancet Microbe, Volume 1, Issue 1, May 2020
  • Chu, Chung-Ming; Cheng, Vincent C.C. ; IvHung, an F.N.; Chan, Kin-Sang; Tang, Bone S.F.; Tsang, Thomas H.F.;  Chan, Kwok-Hung and Yuen, Kwok-Yung. Viral Load Distribution in SARS Outbreak.Emerging Infectious Diseases.Vol. 11, No. 12, December 2005www.cdc.gov/eid
  • Collivignarelli, Maria Cristina; Collivignarelli, Carlo; Miino, Marco Carnevale; Abb&agrave, Alessandro; Pedrazzani, Roberta; Bertanza, Giorgio. SARS-CoV-2 in wastewater treatment plants.medRxiv (2020). doi: https://doi.org/10.1101/2020.06.04.20122218
  • Dietz L, Horve PF, Coil DA, Fretz M, Eisen JA, Wymelenberg KVD. 2020. Correction for Dietz et al., “2019 novel coronavirus (COVID19) pandemic: built environment considerations to reduce transmission.” mSystems 5:e00375-20. https://doi.org/10.1128/mSystems.00375-20 .
  • Du, Wenjun; Yu, Jinhong; Liu, Xiaoyan;  Chen, Hong; Lin, Lingbo and Li, Qiang. Persistence of SARS-CoV-2 virus RNA in faeces: A case series of children. Journal of Infection and Public Health. Volume 13, Issue 7, Pages 926-931, July 2020. https://doi.org/10.1016/j.jiph.2020.05.025
  • Foladori, P., Cutrupi, F., Segata, N., Manara, S., Pinto, F., Malpei, F., Bruni, L., La Rosa, G. SARS-CoV-2 from faeces to wastewater treatment: What do we know? A review. Scienceofthe Total Environment, Volume 743, 15 November 2020
  • Gu, J.; Han, B. and Wang, J..COVID-19: Gastrointestinal ManifestationsandPotentialFecal–OralTransmission. Gastroenterology. 2020. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2020.02.054
  • Huang, C.; Wang, Y.; Li, X.; Ren, L.; Zhao, J.; Hu, Y.; Zhang, L.; Fan, G.; Xu, J.; Gu, X.; Cheng, Z.; Yu, T.; Xia, J.; Wei, Y.; Wu, W., Xie, X.; Yin, W., Li, H., Liu, M., Xiao, Y., Gao, H.; Guo, L.; Xie, J.; Wang, G., Jiang, R.; Gao, Z.; Jin, Q., Wang, J.; Cao, B.. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Lancet 395, 497–506. 2020. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30183-5
  • Jayaweera, Mahesh; Perera, Hasini; Gunawardana, Buddhika; Manatunge, Jagath.Transmission of COVID-19 virus by droplets and aerosols: A critical review on the unresolved dichotomy. Environmental Research, Volume 188, 2020, Article 109819
  • Jefferson, T and Heneghan, C. COVID-19: Potencial transmission of COVID-19. http://w.w.w.cebn.net/study/covi-19-potencial-for-foobormn-transmission-of-covi-19/.  Published on July 2, 2020. In:Kingsbury, J and Lake, R. (eds) Potential For Foodborne Transmission Of Covid-19: Literature Review Update. New Zealand Food Safety & Science Research Centre, 2020. https://www.unitedfresh.co.nz/assets/COVID-19/United-Fresh---Potential-for-Foodborne-Transmission-of-COVID-19---Literature-Review-Update-19-May-20.pdf.
  • Ong, Sean Wei Xiang; Tan, Yian Kim; Chia, Po Ying; Lee, Tau Hong; Ng, OonTek; Wong, Michelle Su Yen and Marimuthu, Kalisvar. Air, Surface Environmental, and Personal Protective Equipment Contamination by Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2) From a Symptomatic Patient JAMA. 2020;323(16):1610-1612. doi:10.1001/jama.2020.3227
  • Pan, Yang; Zhang, Daitao; Yang, Peng; Poon; Leo L M and Wang, Quanyi.Viral load of SARS-CoV-2 in clinical samples.The Lancet Infectious Diseases, Volume 20, Issue 4, Pages 411-412, April 2020. https://doi.org/10.1016/S1473-3099(20)30113-4
  • Park, Soo-kyung; Lee, Chil-Woo; Park, Dong-Il; Woo, Hee-Yeon; Cheong, Hae Suk; Shin, Ho Cheol; Ahn, Kwangsun;  Kwon, Min-Jung and Joo, Eun-Jeong. Detection of SARS-Cov-2 in Fecal Samples from Patients with Asymptomatic and Mild COVID-19 in Korea.Clinical Gastroenterology and Hepatology.Journal Pré-prof. S1542-3565(20)30777-1.https://doi.org/10.1016/j.cgh.2020.06.005
  • Peng, Liang; Liu, Jing; Xu, Wenxiong;Luo, Qiumin;  Deng, Keji; Lin, Bingliang; Gao,Zhiliang. Novel Coronavirus can be detected in urine, blood, anal swabs and oropharyngeal swabs samples. medRxiv preprint (2019).https://doi.org/10.1101/2020.02.21.20026179
  • Rahmani, Ali Reza; Leili, Mostafa; Azarian, Ghasem and Sandle, Ali Poormohammadi. Sampling and detection of corona viruses in air: A mini review. Science of the Total Environment 740 (2020) 140207.https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2020.1402077
  • Razzini, K., Castrica, M., Menchetti, L., Maggi, L., Negroni, L., Orfeo, N.V., Pizzoccheri, A., Stocco, M., Muttini, S. and Balzaretti, C.M.SARS-CoV-2 RNA detection in the air and on surfaces in the COVID-19 ward of a hospital in Milan, Italy.Scienceofthe Total Environment 742 (2020) 140540.
  • Tian, Y., Rong, L., Nian, W., He, Y., Review article: gastrointestinal features in COVID-19 and the possibility of faecal transmission. Alimentary Pharmacology & Therapeutics, vol 51, Issue 9. March 2020. https://doi.org/10.1111/apt.15731
  • World Health Organization. (‎2020)‎. Modes of transmission of virus causing COVID-19: implications for IPC precaution recommendations: scientific brief, 27 March 2020. World Health Organizationhttps://apps.who.int/iris/handle/10665/331601. License: CC BY-NC-SA 3.0 IGO
  • Wu, Y., Guo, C., Tang, L., Hong, Z., Zhou, J., Dong, X., Yin, H., Xiao, Q., Tang, Y., Qu, X., Kuang, L., Fang, X., Mishra, N., Lu, J., Shan, H.,Jiang, G., Huang, X., Prolonged presence of SARS-CoV-2 viral RNA in faecal samples. LancetGastroenterol. Hepatol. 2020.https://doi.org/10.1016/S2468-1253(20)30083-2
  • Xiao, F., Tang, M., Zheng, X., Liu, Y., Li, X., Shan, H., Evidence for Gastrointestinal Infection of SARS-CoV-2. Gastroenterology. 2020.https://doi.org/10.1053/j.gastro.2020.02.055
  • Zhang, Z., Xue, T., Jin, X. Effects of meteorological conditions and air pollution on COVID-19 transmission: Evidence from 219 Chinese cities. Science of the Total Environment, Volume 741, 1 November 2020.https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2020.140244

 

Metabolitos Secundários de Plantas Medicinais como Potenciais Candidatos para o Tratamento da COVID-19

Armindo Paixão, Fernando Maia, Maurício Miguel, Aires Walter e Cristóvão Simões
Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade José Eduardo dos Santos

 

INTRODUCÃO

A humanidade passou por várias pandemias ao longo da história, onde algumas foram mais desastrosas do que outras para os humanos. No final de 2019, um novo coronavírus foi identificado como a causa de um conjunto de casos de pneumonia em Wuhan, uma cidade na província de Hubei, na China. Este, espalhou-se rapidamente, resultando em uma epidemia em toda a China, seguida por um número crescente de casos em outros países do mundo (Mclntosh, 2019).

Em Fevereiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde designou a doença como COVID-19 (Coronavirus deseases-19)(OMS,2020). O vírus que causa a COVID-19 é designado por coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), anteriormente, referido como 2019-nCoV (Mclntosh, 2019).Segundo estudos realizados pelo grupo de estudo dos coronavírus (CSG) do Comité Internacional de Taxonomia dos Vírus (ICTV), o SARS-CoV-2 é classificado como um vírus pertencente a ordem Nidovirales, subordem Comidovirineae, família Coronaviridae, subfamília Orthocoronavirinae, género Betacoronavírus, subgénero Sabecovirus (Gorbalenya et al., 2020).

O vírus SARS-CoV-2 possui um genoma unimolecular com RNA simples de sentido positivode 26-32 kb de longitude. A partir desta molécula sintetizam-se as proteínas necessárias para completar o ciclo da replicação. O genoma viral codifica pelo menos 27 proteínas, incluindo 16 proteínas não estruturais equatro proteínas estruturais,das quais as espículas (S), da membrana (M), do envelope (E) e a do nucleocapsídeo  (N). (Fields Virology, 2013; Cui et al, 2015).

Ainda não existe um tratamento específico para as infecções causadas por SARS-CoV-2, porém, há produtos naturais que podem prevenir, aliviar e tratar infecções de origem viral, como é o caso de certas plantas medicinais que produzem metabólitos secundários capazes de agir contra estes agentes infecciosos (Silva et al, 2020).

As plantas medicinais têm sido utilizadas desde tempos ancestrais e actualmente o seu uso continua a verificar-se em todo mundo com maior incidência ali onde a medicina convencional não chega ou em casos que esta não resolve, pois, o seu custo e os seus efeitos adversos são mais reduzidos (Maghranietal., 2005). Grande parte da população mundial, principalmente em zonas rurais, depende amplamente das plantas medicinais para a prevenção e tratamento de diversas doenças; pois, as plantas constituem um elemento indispensável na práctica da medicina tradicional já que são de baixo custo, fácil acesso e de conhecimento ancestral (Ching etal., 2009). As plantas medicinais são de uso imemorável no tratamento de desordens de saúde, na prevenção de várias doenças e inclusive durante as epidemias (Silva e Fernandes 2010), tanto é assim que 80% da população mundial usa este recurso para cuidados primários de saúde e com maior destaque em países em desenvolvimento, onde há escassez de medicamentos convencionais e os sistemas de saúde encontram-se deficitários (Cunha, 2006).

Em um mundo como o actual, mergulhado em uma pandemia com extraordinária repercussão na saúde mundial, existe uma incessante busca de recursos terapêuticos capazes de reverter os efeitos do vírus (SARS-CoV-2), pois, existem plantas medicinais que possuem acções antivirais capazes de poderem fazer frente a este agente infeccioso e aos danos que dele podem advir (Paixão etal., 2020).Estudos realizados por Campos, etal (2019), recomendam que a prática da Medicina Tradicional / Fitoterápica, seja feita de forma complementar e com orientação de profissionais da saúde no combate de doenças, dado que ao comparar-se com os medicamentos alopáticos, os fitoterápicos têm menor incidência de efeitos adversos, além do baixo custo e maior adesão da população. A realização de estudos de eficácia, segurança e o cumprimento das normas de boas práticas no conhecimento fitoterapêutico, garantem o sucesso terapêutico e menor letalidade durante o seu uso (Cunha, 2006).A pandemia, veio a incentivar e a aumentar as investigações sobre plantas medicinais e outras fontes de moléculas biologicamente activas para a sua erradicação. Estudos relatam soluções contendo partes de plantas para o tratamento da Covid-19 em crianças na China; alguns de estes extractos proveêm de plantas como a Scutellaria radix e Artemisia annua, Armeniaca sémen e Coicis sémen, Ephedra e Gypsum fibrosum (Ang et al., 2020). Nesta mesma perspectiva, Deng-Haietal. (2020), realizaram estudos de filtragem fitoquímica de metabólitos secundários em 125 plantas medicinais usadas na medicina tradicional chinesa com potencial actividade contra a COVID-19. Os referidos autores, concluíram que as plantas clássicas usadas no tratamento das infecções respiratórias de origem viral podem conter metabólitos com acção directa sobre o vírus responsável pela pandemia. Por outro, Gyebietal. (2020) realizaram estudos sobre os componentes bioactivos, alcaloides e terpenoides de algumas plantas africanas e demonstraram a inibição da replicação do vírus, pois, estes componentes bioactivos apresentam uma alta afinidade para ligar-se e bloquear a enzima que favorece a replicação do SARS-CoV-2, cuja actividade é comparada à dos medicamentos Lopinavir e Ritonavir, o que demonstra claramente e de forma inequívoca as potencialidades das plantas medicinais e o trabalho profundo que deve ser realizado em busca de bioactivos contra a COVID-19.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foi feita uma revisão bibliográfica narrativa sobreplantas medicinais com actividade antimicrobiana em especial a acção antiviral e com ênfaseàArtemisiassp. A busca de informação decorreu no período de 02 a 15 de Maio de 2020, e utilizou-se para a pesquisa as bases de dados de artigos científicos como (LILACS), ScientificEletrônicLibrary Online (SCIELO), Google académico e NationalLibraryof Medicine (PUBMED).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A revisão bibliográfica demonstrou que as plantas medicinais contêm vários metabólitos secundários com actividade antimicrobiana para a proteção contra agentes agressores como os microrganismos (Cowan, 1999). (Figura 1)

Figura 1. Locais de acção dos metabolitos naturais.
Fonte: Burt, 2004

 

Assim, estas propriedades dependem da existência e concentração de metabólitos secundários como: taninos, saponinas, leucoantocianidinas, alcaloides, flavonóides, antraquinonas, triterpenos, cumarinas entre vários outros; a estes, descrevem-se várias propriedades curativas e acção sobre agentes infecciosos, sejam eles vírus, bactérias, fungos, parasitas e até insectos. São descritos para os taninos condensados, propriedades farmacológicas como antissépticas, antimicrobianas, antifúngicas (Maechaetal., 2007), os flavonoides, triterpenos e leucoantocianidinas apresentam, além de outras propriedades, a actividade antiviral (Wolfenderetal., 2011; Fingoloetal., 2013).


Figura 2. Estrutura dos flavonoides e sua classe.
Fonte: Panche, A.N., etal. (2016)

 

Para os alcalóides são descritas também propriedades antivirais, além de outras como fazem referência estudos de Muñoz e Cuca (2016). Como se pode notar, há relatos sobre a acção antiviral de vários metabólitos secundários encontrados nas plantas medicinais. Por exemplo, plantas como Tephrosiavogelii, Crotonmubango, Crysophyllumargyrophyllum, Psidiumguajava, Eugenia uniflora, Eugenia dysenterica, Cymbopogoncitratus, Artemisiaannua entre outras, possuem vários destes metabólitos, pelo que são promissores para os estudos sobre o tratamento de doenças virais. Estudos realizados por Paixão etal., (2020) mostram que plantas angolanas como por exemplo CrisophyllumargyrophyllumHiem. possuem metabólitos secundários como taninos, aminas primárias e secundárias, fenóis livres, alcaloides, leucoantocianidinas e flavonoides em quantidades abundantes com excepção dos taninos, tanto nas folhas como na casca do caule.

Os flavonoides são capazes de inactivar enzimas que facilitam a sobrevivência de agentes infecciosos, tal como aderir-se ao complexo proteico do agente. Entre outras acções descreve-se a inibição da transcriptase reversa. Os taninos e cumarinicos também apresentam a capacidade para a inactivação de enzimas, interagem com o genoma viral, bloqueiam substratos necessários para o agente infeccioso e intercalam-se em estruturas do genoma (Cowan, 1999). Aos flavonoides são ainda atribuídas várias outras acções farmacológicas como anti-inflamatória, antioxidantes, estrogénica, antiviral, antiespasmolítica e aumento da resistência dos vasos sanguíneos (Cunha, 2006;Simões etal., 2016), actividade antifúngica e antibacteriana são descritas por Liuetal., (2013). As propriedades antivirais, antibacterianas, antidiarréicas e antifúngicas, entre outras, são atribuídas aos taninos, que se encontram em muitas plantas medicinais (Simões etal., 2016).

Estudos recentes mostram também a participação de produtos naturais em processos de imunomodulação como é o caso da Artemisiaspp. (Majdalawieh e Fayyad, 2015), onde se encontra Artemisiaannua, uma planta que dá origem ao preparado que tem sido destaque no país Indico de Madagáscar para a alegada prevenção e tratamento da COVID-19 (DW,2020).

As espécies que fazem parte do gênero Artemisiaspp., compreendem, importantes plantas medicinais que actualmente são objecto de atenção fitoquímica devido à sua grande produção de metabólitos secundários, diversidade química e biológica (Guetatetal., 2017). As espécies do gênero Artemisiaspp., apresentam também uma gama de actividades biológicas, como éo caso da espécie Artemisiaannua, que possui polissacarídeos com actividade antitumoral e é dotada de propriedades imunomoduladoras (Chenetal., 2014).

Estudos realizados por Yangetal. (1993) eXiongetal. (2010)demonstraram que os compostos químicosda Artemisiaannua comosesquiterpenetrioxanelactone, artemisinina, artesunato e dihidroartemisina foram capazes de acelerar a reconstituição imunológica aumentando a produção de DNA e interleucina IL-2 em experimentos in vitroem esplenócitos de camundongos. Outrossim, a artemisina reduz a hipertrofia cardíaca induzida por angiotensina II, sendo avaliado pela inibição da actividade de ligação a NF-kB, mRNA e níveis de expressão de IL-6, TNF-a e MCP-1.

Partindo do pressuposto de que a artemisina inibe o efeito da angiotensina II porinactivação da ACE2 que constitui o principal receptor do SARS-CoV-2 nas células susceptíveis, podemos assinalar que Artemisiaannua, particularmente a artemisina, pode ser um potencial bioactivo para o tratamento da COVID-19.

Este género de planta contém vários metabólitos secundários responsáveis por actividades biológicas diversas, além dos ácidos clorogénicos e ácidos cafeoilquinicos determinados por técnicas cromatográficas (Zamariolietal., 2019). A composição fitoquímica é a que poderá justificar a utilização desta planta em vários processos infecciosos. Nesta direcção, o estudo profundo desta planta, poderá talvez revolucionar o tratamento de várias outras enfermidades como já é o caso da malária, cujo princípio activo é o alcaloideartemisinina em que um dos mecanismos de acção é a alquilação de uma proteína específica do agente (Silva, 2006).

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com base no levantamento realizado, pode-se concluir que existe uma convergência na utilização de plantas medicinais em síndromes respiratórios e outras doenças por possuírem  propriedades farmacológicas, com potencial terapêutico contra alguns tipos de vírus que podem ter actividade directa sobre o coronavirus (SARS-CoV-2) ou o desenvolvimento da COVID-19.

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS                                                                                                                             

  • Ang, L; Lee, H.W; Kim, A; Lee, J.A; Zhang, J; Lee, M.S. (2020).Herbal Medicine for Treatment of Children with COVID-19: A Review of Guidelines. Complement Ther Clin part 39: 101174.
  • Campos, A.M.P; Magalhaes, A.R.S; Da Silva, M.C.P; Freitas, T.A; Pessoa, C.V. (2019) Uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos: Revisao de literatura. Unicatólica, 6(1):1
  • Chen, J; Wang, X; Liu, C. (2014). Anti-tumour effects of polysaccharides isolated from Artemisia annua L by inducing cell apoptosis and immunomodulatory anti-hepatoma effects of polysaccharides. Afr. J Tradit Complement Altern Med. 11(1):15-22.
  • Ching, F.P; Omogbai, E.K.I; Okpo, S.O and Ozolua, R,I .(2009)  Antiinflammatory  activity  of  aqueous  extract  of  Stereospermumkunthianum (Cham, Sandrine Petit) stem bark in rats. Indian J. Pharma. Sci71: 106-110.
  • Cowan, M.M. (1999). Plant products as antimicrobial agents.ClinMicrobiol Rev. 12(4):564-82.
  • Cui, L. et al. (2015).The Nucleocapsid Protein of Coronaviruses Acts as a Viral Suppressor of RNA Silencing in Mammalian Cells.J Virol,. 89(17): p. 9029-43.
  • Cunha, A. P. (2006). Aspectos históricos sobre plantas medicinais, seus Constituintes activos e fitoterapia . Disponível em:http://www.antoniopcunha.com.sapo.pt/, acedido aos 18 de Fevereiro de 2019.
  • Cunha, A. P;  Silva, A. P; Roque, O. R. (2006). Plantas e produtos vegetais em fitoterapia. Fundação Colouste Gulbenkian. Serviço de Educação e Bolsas. Lisboa – Portugal, 2ed: 21-54.
  • Deng-Hai, Z; Kun-Lun, W; Xue, Z; Cheng-Qiong, D; Bin, P. (2020). In Silico Screening of Chinese Herbal Medicine with the Potential to Directly Inhibit 2019 Novel Coronavirus. J.Int.Med, 18(2): 152-158.
  • DW (2020)COVID-19: Tests for 'miracle cure' herb Artemisia begin https://www.dw.com/en/covid-19-tests-for-miracle-cure-herb-artemisia-begin/a-53442366
  • Fields (2013).Virology, 6th Edition Edited by David M. Knipe and Peter M. Howley. Philadelphia, PA,USA. Lippincott Williams & Wilkins,.Chapter 28.
  • Fingolo, C. E; Santos, T. S; Viana, M. D. M; Kaplan, M. A. C; (2013).Triterpene Esters: Natural Products form Dorstniaarifolia (Maoraceae). Molecules, 4247-4256.
  • Gorbalenya, A.E.; Baker, S.C.; Baric, R.S. et al. (2020).    The species Severe acute   respiratory syndrome-related coronavirus: classifying 2019-nCoV and naming it SARS-CoV-2. Nat Microbiolhttps://doi.org/10.1038/s41564-020-0695-z.
  • Guetat, A.; Al-Ghamdi, F.A; Osmanak. (2017).The genus Artemisia L. in the northern region of Saudi Arabia:essential oil variability and antibacterial activities. Nat Prod. Res,. 31(5):598-603.
  • Gyebi, G.A; Ogunro, O.B; Adegunloye, O.M; Ogunyemi, O.M; Afolabi, S.O. (2020).Potential Inhibitors of Coronavirus 3-Chymotrypsin-like Protease (3CL-pro): An in silico Screening of Alkaloids and Terpenoids From African Medicinal Plants. J Biomol Dyn, 18:1-13.Huang,  C; Wang, Y; Li, X; Ren, L; Zhao, J; Hu, Y et al. (2020). Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China.Lancet.395:497---506, http://dx.doi.org/10. 1016/S0140-6736(20)30183-5
  • Liu, M; Johnston, M. B; Snaith, H. J. (2013).Efficient planar heterojunctionperovskite solar cells by vapour deposition. Nature, v. 501, n. 7467, p. 395,
  • Maghrani, M; Zeggwagh, N.A; Haloui, M and Eddouks, M. (2005).Acute diuretic effect of aqueous extract of Retamaraetamin normal rats.J. Ethnopharmacol,. 99: 31-33.
  • Mahecha, L; Escobar, J.P; J.F; Restrepo, L.F. (2007).Tithoniadiversifolia (Helms.)Gray (bóton de oro) como suplemento forrajero de vacas F1 (Holsten por Cebú). Livest Res Rural Dev, , 19(2):1
  • Majdalawieh, A.F; Fayyad, M.W. (2015).Immunomodulatory and anti-inflammatory action of Nigella sativa and thymoquinone:A comprehensive review. Int Immunopharmacol,. 28(1):295-304.
  • Mclntosh, K. (2019).Doença de coronavírus (COVID-19) Revisão de literatura. Acessado em 19 de Maio de 2020.
  • Muñoz, C. D.R and Cuca,S. L.E. (2016).Cytotoxic compounds of plant origin and their relationship to apoptosis inhibiting proteins, IAP, Revista Colombiana de Cancerologia, , 20(3): 124-134.
  • Nadeem, S.  (2020) Coronavirus COVID-19: Available Free Literature Provided by Various Companies, Journals and Organizations around the WorldJ OngChem Res, 5(1): 7-13, Document ID: 2020JOCR37, doi:10.5281/zenodo.3722904. Acessado em 19 de Maio de 2020.
  • Organização Mundial da Saúde. (2020). Palavras do diretor-geral no briefing da mídia sobre 2019-nCoV em 11 de fevereiro de 2020. https://www.who.int/dg/speeches/ etail/who-director-general-s-remarks-at-the-media-briefing-on-2019-ncov-on-1-February-2020 (Acessadoem 19 de Maio  de 2020).
  • Paixão, A.A; Chicola,  B.S. J, Simões, C;  Pedro, A.V; Maria, D.L; Sanchez, L.M.    (2020).Phytochemical screening of ChrisophyllumargyrophillumHiem.a Plant Used as a Healer in the Village of Vila Franca, Huambo – Angola. EC Veterinary science,: 5.
  • Paixão, Armindo; Maia, Fernando; Miguel, Maurício; Simões, Cristóvão e Walter, Aires (2020). Plantas Medicinais e Covid-19,Uma Revisão . International Journal of Current Research, 12, (06), 12099-12100
  • Silva, F.G.C.; Borges, A.L.T. F.; Oliveira, J. V. L.; Prata, A.P.N.; Porto, I.C.C.M;  Almeida, C.A.C.; Sousa, J.S.; Freitas, J.D.; Oliveria-Filho, A.  D.; Reis, F.M.P.; Oliveira,  R.  A.  G.; Silva,  S.A.S.; Nascimento, T.G. (2020). Foods, nutraceuticals  and  medicinal plants used as complementary practice in facing up the coronavirus (covid-19) symptoms: a review. 2020, DOI: https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.317.
  • Silva, H. S. R. C. (2006) Antimaláricos potenciais: pró-fármacos poliméricos e formas de liberação controlada de artemisinina.. 209 f. Tese (Doutorado)-Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • Silva, N.C.C; Fernandes, J. A. (2010). Biological properties of medicinal plants: a review of their antimicrobial activity, The Journal of Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases, 16(3): 402-413.
  • Simões, Cláudia Maria Oliveira et al. (2016) .Farmacognosia: do produto natural ao medicamento Artmed Editora,.
  • Wolfender, J.L; Eugster, P.J; Bohni, N; Cuendet, M. (2011).Advanced Methods for Natural    Product Drug Discovery in the Field of Nutraceuticals.Chimia,.  65(6):400-406.
  • Xiong, Zhaojun; Sun, Gang; Zhu, Cansheng; Cheng, Baolin; Zhang, Chengxi; Ma, Yuedong; Dong, Yugang. (2010).Artemisinin, an anti-malarial agent, inhibits rat cardiac hypertrophy via inhibition of NF-kappaB signaling. European Journal of Pharmacology, v. 649, p. 277–284,
  • Yang, S. X.; Sheng,ShuiXie; Gao, Hai Li; Long, Z Z. (1993). Artemisinin and its derivatives enhance T lymphocyte-mediated immune responses in normal mice and  accelerateimmunoreconstitution of mice with syngeneic boné marrow transplantation. Clinical Immunology and Immunopathology, n. 69, p. 143–148.
  • Zamarioli1, L.S; Santos, E .W; Marcucci, M.C; Oliveira, C. R. (2019).Avaliação do extracto bruto da Artemisiavulgaris na resposta imunológica. Brazilian Journal of Natural Science. 2(3):107-114.
  • N. Panche, A. D. Diwan and S. R. Chandra(2016). Department of Bio-Engineering, Birla Institute of Technology, Mesra, Ranchi, Jharkhand 835215, India 2 MGM’s Institute of Biosciences and Technology, Mahatma Gandhi Mission, N-6, CIDCO, Aurangabad-431003, India Journal of Nutritional Science, vol. 5, e47, page 1 of 15 doi:10.1017/jns.2016.41

 

Assinar este feed RSS

Links Úteis

Links Externos

Contactos

Redes Sociais